AMÉRICA | Armada
-/5 | 0 votos

0

0

0

0

Primeiro dos três

Novo navio-patrulha oceânico Amazonas integrará oficialmente a frota Marinha do Brasil

21/08/2012

(Infodefensa.com) R. Caiafa, Sao Paulo – Partiu do porto de Plymouth, na Inglaterra, na quarta-feira da semana passada, o primeiro dos três novos navios-patrulha oceânicos de duas mil toneladas comprados pela Marinha do Brasil, em dezembro de 2011, da multinacional BAE Systems. O destino é o Rio de Janeiro (RJ), onde a embarcação, nomeada Amazonas, integrará oficialmente a frota da Marinha.

O trajeto do Amazonas até o Rio deve ser concluído na primeira semana de outubro. Durante a jornada, a embarcação passará por Lisboa, em Portugal; Las Palmas, na Espanha; Mindelo, em Cabo Verde; Cotonou, em Benim; Lagos, na Nigéria; São Tomé, em São Tomé e Príncipe; e pelas cidades brasileiras de Natal, Salvador e Arraial do Cabo.

O comando do Amazonas foi confiado ao capitão de corveta Giovani Corrêa. Ao todo, 80 militares (11 oficiais e 69 praças) integram a tripulação do navio-patrulha. A embarcação tem capacidade, ainda, de transportar mais 50 pessoas como tropa embarcada, além de um helicóptero de médio porte.

Fabricados pela BAE Systems, os três navios-patrulha oceânicos custaram ao governo brasileiro um total de 133 milhões de libras esterlinas (o equivalente hoje a aproximadamente 420 milhões de reais). De acordo com a Marinha, a aquisição foi de “oportunidade”, depois que uma negociação prévia de vendas com Trinidad e Tobago, cujo governo havia feito a encomenda inicial à multinacional sediada na Inglaterra,fracassou.

Missão

Os novos navios-patrulha serão responsáveis pela fiscalização e proteção das águas jurisdicionais brasileiras. Em tempos de paz, eles ajudarão a resguardar os recursos do mar territorial, reprimir atividades ilícitas (pesca ilegal, contrabando, narcotráfico e poluição do meio ambiente marinho) e contribuir para a segurança de instalações costeiras e plataformas marítimas contra ações de sabotagem. As embarcações também estão aptas a realizar operações de busca e salvamento na área de responsabilidade do Brasil. Em caso de conflito, caberá aos novos navios efetuar patrulha para a vigilância e defesa do litoral, de áreas marítimas costeiras e das plataformas de exploração de petróleo no mar, bem como contribuir para a defesa de portos brasileiros.

Segundo a Marinha, a flotilha entra em operação imediata após seu recebimento. As outras duas embarcações – que também receberam nomes de importantes rios brasileiros, Apa e Araguari – serão incorporadas à força naval brasileira até o final de 2013.

 © Information & Design Solutions, S.L. Todos los derechos reservados. Este artículo no puede ser fotocopiado ni reproducido por cualquier otro medio sin licencia otorgada por la empresa editora. Queda prohibida la reproducción pública de este artículo, en todo o en parte, por cualquier medio, sin permiso expreso y por escrito de la empresa editora.

SÍGUENOS EN

ENVÍO DE LA NOTICIA A UN AMIGO
Correo electrónico
Tu nombre
Mensaje