AMÉRICA | Defensa
-/5 | 0 votos

0

0

0

0

Projeto interministerial

Brasil criará nova empresa para realizar estudos e promover a ampliação da Base Industrial de Defesa

31/07/2013

(Infodefensa.com) R. Caiafa, Sao Paulo - O governo brasileiro se prepara para criar uma empresa de negócios para a área bélica. A informação foi publicada no Diário Oficial da União (DOU). Portaria interministerial das pastas de Defesa e Indústria e Comércio criou Grupo de Trabalho (GT) “com a finalidade de realizar estudos e identificar ou propor medidas de fomento para a ampliação da capacidade da Base Industrial de Defesa (BID), com a criação de uma trading de defesa”.

Além dos dois ministérios citados, o GT contará com participação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex Brasil). A portaria informa que haverá preservação de sigilo de dados sensíveis, ficando o tema, portanto, ao largo da nova lei de acesso à informação.

Informa o DOU: “A ‘trading’ deverá ter por objetivo promover, com apoio institucional, a comercialização (exportação e importação) de produtos de defesa, com a faculdade para operacionalizar contratos de compensação tecnológica, industrial e comercial”. Como o texto diz, a nova estatal – ainda sem nome – será preservada por sigilo. No entanto, fontes do setor acreditam que, por exemplo, ao oficializar a compra aviões para a Força Aérea Brasileira (concorrência FX-2, 36 caças  previstos), o governo quer agir de forma profissional e obter compensações para suas empresas do setor, seja com a venda de peças e equipamentos ou com a obtenção de transferência de tecnologia. Especialistas dizem que a trading dará um caráter mais profissional às negociações entre o Brasil e as potências internacionais. Como se sabe, não há lugar para primarismo na área bélica, chamada sofisticadamente de “setor de defesa”. A nova empresa não tem nome, mas poderia ser Defesabrás ou Bras Trading.

No setor de defesa, já existem a Empresa Gerencial de Projetos Navais  (Engepron), vinculada à Marinha, e a Indústria de Material Bélico do Brasil (Imbel), ligada ao Exército. O programa nuclear da Marinha gerou a Amazônia Azul Tecnologias de Defesa (Amazul), e a Nuclebrás Equipamentos Pesados S.A (Nuclep), uma estatal que fornece para o Programa PROSUB de submarinos da Marinha do Brasil. Por último e não menos importante, há uma quase estatal, a Visiona Tecnologia Espacial S.A, empresa ligada a satélites, com 49% de capital da estatal Telebrás e 51% da ex-estatal Embraer, agora uma empresa plenamente privada, mas com estreitos laços com o governo.

 © Information & Design Solutions, S.L. Todos los derechos reservados. Este artículo no puede ser fotocopiado ni reproducido por cualquier otro medio sin licencia otorgada por la empresa editora. Queda prohibida la reproducción pública de este artículo, en todo o en parte, por cualquier medio, sin permiso expreso y por escrito de la empresa editora.

SÍGUENOS EN

ENVÍO DE LA NOTICIA A UN AMIGO
Correo electrónico
Tu nombre
Mensaje