AMÉRICA | Sistemas
-/5 | 0 votos

Sirius, a nova fonte de luz síncrotron brasileira

Brasil constrói um acelerador de elétrons para a indústria de defesa

03/11/2016 | Campinas (SP)

Roberto Caiafa

Sirius, a nova fonte de luz síncrotron brasileira, é maior e mais complexa infraestrutura científica já construída no Brasil, sendo responsabilidade do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS). 

Planejado para colocar o Brasil na liderança mundial de geração de luz síncrotron, esse acelerador de elétrons foi projetado para ter o maior brilho dentre todos os equipamentos na sua classe de energia.

Os investimentos no Sirius permitirão ao Brasil manter a sua competitividade nas próximas décadas em áreas estratégicas como nanociência, biologia molecular estrutural (base para o desenvolvimento de fármacos) materiais avançados para uso pela BID na produção de armamentos e sistemas de alta tecnologia, e na busca de energias alternativas para a matriz energética nacional, dentre várias outras possibilidades.

Sirius será composto por um conjunto de aceleradores de elétrons, por estações experimentais, chamadas de linhas de luz, e por um prédio que abrigará todo esse complexo.

Os aceleradores foram projetados com novos conceitos ainda não utilizados no mundo, e seu acelerador principal, com energia de 3 GeV (giga eletron-volts), terá 518,4 metros de circunferência e poderá comportar até 40 linhas de luz.

O prédio, de 68.000 m2, está entre as obras civis mais sofisticadas já construídas no País, com exigências de estabilidade mecânica e térmica sem precedentes, que desafiam a engenharia brasileira ao seu limite.

O estágio atual

Fotografado do ar no dia 31 de outubro último, o sítio de construção do Projeto Sirius, localizado na cidade de Campinas (interior de São Paulo), encontra-se em avançado estágio dos trabalhos no complexo principal.

A estrutura metálica da cobertura já está em torno de 3/4 de execução, e a primeira camada da telha (de 3 previstas) está sendo montada com conclusão prevista até dezembro de 2016.

As superestruturas externa e interna estão basicamente concluídas, incluindo seus fechamentos. Internamente ao prédio está em andamento a execução do piso especial. Já foram executadas (instaladas) 380 estacas das aproximadamente 1.200 previstas.

Esse recurso garante uma fundação milimetricamente plana, estável, isenta de vibrações e capaz de resistir aos diferentes testes que serão executados no acelerador de elétrons. O complexo completo foi orçado em cerca de R$ 650 milhões. 

O projeto foi desenvolvido pelo Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS), vinculado ao Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM).

O LNLS opera, desde 1997, a primeira fonte de luz síncrotron do Hemisfério Sul, uma máquina de 2ª geração, totalmente projetada e construída no Brasil. O projeto Sirius, da mesma forma, está sendo desenvolvido pelo LNLS de modo a assegurar uma grande participação de empresas nacionais na fabricação de seus componentes.

Imagens: Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS) via Carlos Fortner

 © Information & Design Solutions, S.L. Todos los derechos reservados. Este artículo no puede ser fotocopiado ni reproducido por cualquier otro medio sin licencia otorgada por la empresa editora. Queda prohibida la reproducción pública de este artículo, en todo o en parte, por cualquier medio, sin permiso expreso y por escrito de la empresa editora.

SÍGUENOS EN

ENVÍO DE LA NOTICIA A UN AMIGO
Correo electrónico
Tu nombre
Mensaje