AMÉRICA | Defensa
-/5 | 0 votos

Acordo de defesa

Brasil vai fornecer 16 blindado 'Guarani' e vários aviões 'Super Tucano' para o Líbano

04/11/2016 | Sao Paulo

Roberto Caiafa

Segundo o Ministério da Informação da República do Líbano noticiou na última quarta-feira, o ministro da Defesa daquele País, Sr. Samir Mokbel, e o comandante-em-chefe do Exército Libanês, general Jean Kahwaji, receberam em Beirute o ministro da Defesa brasileiro, Raul Jungmann, e comitiva de autoridades, durante visita oficial.

Os dois países alinharam na ocasião diversos acordos. Segundo fontes libanesas e observadores chineses e sauditas, as conversas giraram, entre outros temas, sobre o fornecimento/envio de 16 blindados sobre rodas 6x6 Iveco Guarani (VBTP-MR) e uma quantidade não divulgada de aeronaves turboélices de treinamento e ataque Embraer EMB-314 Super Tucano (provavelmente excedentes da Força Aérea Brasileira, recondicionadas).

O comunicado afirma que esse material bélico será fornecido ao Exército Libanês a partir de 2017 para atuar em operações antiterrorismo e contra-insurgência (COIN).

O Líbano enfrenta a crise humanitária dos refugiados sírios e ameaças de grupos terroristas infiltrados em seu território.

Elogios a United Nations Interim Force in Lebanon* (Unifil)

Na ocasião, o grupo de autoridades elogiou o trabalho da fragata F43 Classe Niterói da Marinha do Brasil, que lidera a parte naval da missão UNIFIL no litoral libanês em sistema de rodízio semestral (que está na sua 10ª edição).

A "Liberal" assumiu a missão em 11 de setembro último, rendendo a fragata "Independência" (F44).

*A Resolução 1701 do Conselho de Segurança das Nações Unidas teve como finalidade resolver o conflito entre o Líbano e Israel, ocorrido em 2006.

Elaborada pelos Estados Unidos (USA) e França e aprovada no Conselho de Segurança da ONU em agosto de 2006, a resolução determinava o fim das hostilidades entre o Hezbollah e as Forças de Defesa de Israel, devendo o estado judeu retirar os seus 10 mil soldados do território libanês.

A resolução definiu também o envio de uma força de estabilização ao sul do Líbano, constituída de 15 mil soldados do Exército do Líbano e um contingente de capacetes azuis das Nações Unidas/ONU.

Também foi determinada a criação de uma Força Marítima Multinacional atuando no litoral libanês em missões de patrulhamento, vigilância e abordagem de navios suspeitos de transportarem armas, munições e contrabandos perigosos a soldo de facções terroristas.

Essa Força Marítima encontra-se sob comando brasileiro há quase cinco anos.

Imagens: Ministério da Informação da República do Líbano / Roberto Caiafa / Marinha do Brasil

 © Information & Design Solutions, S.L. Todos los derechos reservados. Este artículo no puede ser fotocopiado ni reproducido por cualquier otro medio sin licencia otorgada por la empresa editora. Queda prohibida la reproducción pública de este artículo, en todo o en parte, por cualquier medio, sin permiso expreso y por escrito de la empresa editora.

SÍGUENOS EN

ENVÍO DE LA NOTICIA A UN AMIGO
Correo electrónico
Tu nombre
Mensaje