AMÉRICA | Aire
-/5 | 0 votos

Dia do Material Bélico de Aeronáutica 2016

Tenente-brigadeiro-do-ar Cury: "Uma base de defesa forte significa independência internacional"

18/11/2016 | São Paulo

Roberto Caiafa

O Dia do Material Bélico da Aeronáutica, comemorado na última semana pela Força Aérea Brasileira, foi o primeiro celebrado dentro da nova concepção estratégica Força Aérea 100.

Segundo ressaltou o Comandante-Geral de Apoio da Aeronáutica, tenente-brigadeiro-do-ar Paulo João Cury “Uma base de defesa forte significa independência internacional e fortalecimento da soberania nacional, cuja defesa é a nossa mais alta missão institucional. O esforço do Sistema de Material Aeronáutico e Bélico (SISMAB) não se encerra em adquirir e manter equipamentos.

A busca por novas tecnologias, o fomento à Base Industrial de Defesa e a incorporação das mais avançadas tecnologias em uso no mundo, é incessante na FAB”, afirmou o militar durante cerimônia alusiva a data.

A celebração remonta a novembro de 1944 (2ª Guerra Mundial), quando o 1° Grupo de Aviação de Caça realizou sua primeira missão como unidade aérea independente, durante a campanha aliada na Itália, constituindo naquela ocasião a primeira esquadrilha de caças a pistão P-47 Thunderbolt composta exclusivamente por brasileiros.

Deve-se ressaltar que o alto desempenho em combate apresentado por pilotos e pessoal de terra rendeu ao 1º GAvCa a Presidential Unit Citation (PUC) do Governo dos Estados Unidos da América, mais conhecida como "Blue Ribbon".

As Garras da FAB

Entre os armamentos que a FAB alinha ou vai receber em breve no seu arsenal encontram-se os Kits Lizard para a conversão de bombas "burras" em armas guiadas a laser; os mísseis de quinta geração A-Darter e Iris-T, que equiparão os novos caças Gripen NG; mísseis off-boresight Python IV e mísseis BVR Derby (F-5EM); o MBDA Meteor (em negociação para o Gripen E); mísseis anti-radiação MAR-1; bombas guiadas Spice 500; bombas penetradoras de concreto (destruidoras de bunkers) e bombas de emprego geral de vários tipos (incluindo de submunições e fragmentação); tudo isso associado a sensores de última geração como os pods de sistemas Litening (navegação dia/noite/qualquer tempo) e Recclite de designação laser, ou SkyShield (defesas eletrônicas), entre outros recursos.

O profissional de Material Bélico, egresso da Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR), é o responsável pelos serviços técnicos de manutenção, estocagem e instalação de material bélico aéreo e terrestre na Força Aérea Brasileira. Em determinadas situações, como na composição de tripulações de helicópteros, esses militares também irão atuar como artilheiros (gunners), operando armamento de cano em vários calibres.

A atuação do especialista em material bélico é bastante ampla e, ao longo da carreira, o militar tem a oportunidade de participar anualmente de diversas operações.

No final de setembro, por exemplo, militares especialistas do 1° Grupo de Defesa Aérea (1° GDA) realizaram o treinamento de tiro aéreo com as aeronaves F-5EM, utilizando o canhão de 20mm da aeronave, com o objetivo de manter a capacitação do esquadrão no emprego armado ar-ar.

Em junho, esquadrões equipados com aeronaves A-1/A-1M/RA-1 participaram de ações de ataque e supressão de defesa aérea inimiga, quando enfrentaram ameaça SAM representada por mísseis IGLA-S, durante o Exercício Sabre.

No mesmo mês, os esquadrões de ataque/treinamento/interceptação equipados com turboélices A-29 Super Tucano participaram do Exercício Operacional Cachimbo 2016, realizando o treinamento e a qualificação das equipagens no emprego ar-solo com a utilização de bombas de exercício, bombas reais, foguetes e munição perfurante, explosiva ou incendiária para suas metralhadoras de 12,7 mm.

Todo o Sistema de Material Bélico da Aeronáutica (SISMAB) é dirigido pela Diretoria de Material Bélico (DIRMAB) e operacionalizado pelo Parque de Material Bélico da Aeronáutica do Rio de Janeiro (PAMB-RJ).

Composto por 34 remotos e 291 operadores, o sistema tem como responsabilidade o planejamento, a supervisão e o controle das atividades de aquisição, manutenção, distribuição e suprimento de itens bélicos para toda a FAB.

Imagens: Roberto Caiafa / Agência Força Aérea

 © Information & Design Solutions, S.L. Todos los derechos reservados. Este artículo no puede ser fotocopiado ni reproducido por cualquier otro medio sin licencia otorgada por la empresa editora. Queda prohibida la reproducción pública de este artículo, en todo o en parte, por cualquier medio, sin permiso expreso y por escrito de la empresa editora.

SÍGUENOS EN

ENVÍO DE LA NOTICIA A UN AMIGO
Correo electrónico
Tu nombre
Mensaje