AMÉRICA | Armada
-/5 | 0 votos

Entrevista INFODEFENSA

Contra-almirante Finotto: "O VF-1 vai receber três AF-1 Falcão em 2017"

10/02/2017 | Base Naval do Rio de Janeiro

R. Caiafa (Enviado especial)

O contra-almirante Paulo Ricardo Finotto Colaço é natural de São Paulo, capital. Declarado Guarda-Marinha em 13 de dezembro de 1985, entre os cargos/comissões que este aviador naval atuou estão o grupo de fiscalização e recebimento de helicópteros Super Lynx na Inglaterra (1995 e 1996); comandante da corveta “Caboclo”; Gabinete do Comandante da Marinha; comandante do 1º Esquadrão de Helicópteros de Esclarecimento e Ataque (HA-1); Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República; e comandante do Navio de Desembarque de Carros de Combate NDCC G29 “Garcia D’Ávila”.

Antes de assumir o atual posto, em setembro de 2016, foi o Subchefe de Orçamento e Plano Diretor do Estado-Maior da Armada.

O senhor tem uma trajetória ligada ao Esquadrão HA-1 e seus helicópteros, chegando inclusive ao comando da unidade. Como se encontra a modernização dos AH-11 Super Lynx, que equipam o esquadrão, e quais os seus principais pontos?

Os prazos contratuais estão sendo cumpridos para a modernização de oito exemplares, selecionados entre os que possuíam maior vida útil de célula (limite de 7.000 horas). Até o momento já enviamos três exemplares para o Reino Unido e o primeiro deles deverá estar pronto em outubro, sendo entregue a Marinha antes do final desse ano. Os cursos para pilotos e mecânicos já começaram e estão preparando as equipagens para operarem o "novo" helicóptero. A troca do antigo par de turbinas Gen 42 (descontinuadas no seu suporte) pelas T800 (ambos da Rolls Royce) justifica esse termo, a performance e disponibilidade do movo motor é bastante superior. Além disso, estamos melhorando a aviônica, MAGE, painel compatibilizado com NVG, upgrade de sensores, etc, transformando esses oito helicópteros na versão AH-11B Super Lynx.

Quanto aos caças AF-1 Falcão, o programa sofreu alguma mudança depois do acidente que resultou na perda de uma aeronave modernizada e avarias em outra?

Havia um pouco de atraso contratual, até pela dificuldade da empreitada,somente dois jatos modernizados haviam sido entregues. O acidente ocorrido em 2016 nos deixou com uma aeronave modernizada que está danificada (N-1001) mas deverá ser reparada brevemente pelas equipes da Embraer Defesa & Segurança e em São Pedro da Aldeia. O VF-1 vai receber três AF-1 Falcão em 2017, e o programa poderá ter uma quantidade menor de aviões (existe uma negociação em curso pela Marinha), ficando ao final seis monoplace e três biplaces, todos sendo entregues até o final de 2020. Apesar de não mexer no motor, o programa introduz um novo cockpit, radar digitalizado, sensores atualizados, sistema OBOGS de geração de oxigênio, e o avião continuará apto a disparar o armamento que já possui com novos parâmetros de precisão e letalidade. A Marinha também estuda integrar novas armas ao modelo, como mísseis ar-ar (o jato já utiliza o SideWinder AIM-9L dos estoques entregues com o avião, e deverá ser capaz de disparar mísseis ar-superfície - nota do autor).

A questão do novo helicóptero de instrução, já houve um encaminhamento ou decisão?

A Marinha está fazendo estudos sobre o programa IHP, ou programa do helicóptero de instrução, e aguarda também  a conclusão de estudos do Ministério da Defesa sobre a criação de uma Escola de Formação Conjunta de Asas Rotativas para as Três Forças. O programa IHP prevê a substituição das atuais aeronaves de instrução Bell 206B Jet Ranger III (designadas IH-6B na MB), utilizadas a partir de 1986 pelo 1º Esquadrão de Helicópteros de Instrução (HI-1), na instrução básica de voo dos Oficiais-Alunos durante a parte de Pilotagem do Curso de Aperfeiçoamento de Aviação para Oficiais (CAAVO). Independente das decisões sobre a formação futura de uma escola e qual será o modelo de helicóptero escolhido, a Diretoria de Aeronáutica da Marinha continua se mexendo no sentido de estabelecer seus requesitos, haja visto que os Bell Jet Ranger III encontram-se no final de sua vida útil, e a falta de algumas peças e componentes tem deixado boa parte deles no solo, indicando que a hora de aposentá-los definitivamente está muito próxima.

Os Helibras H-225M / UH-15 estão entrando em serviço paulatinamente. O que o senhor pode falar sobre o desempenho geral desse aparelho com a Marinha?

Estamos muito satisfeitos com o helicóptero, não só pelas suas capacidades e versatilidade, é um tipo no estado da arte, mas também pela efetividade do Contrato de Suporte Logístico (CLS) que alinhamos com a Helibras. Nossas aeronaves tem apresentado excelente disponibilidade, e algumas delas ainda estão cobertas pela garantia do fabricante. A versão standard é a que temos em maior número, e a versão SAR e C-SAR também está sendo entregue. A aeronave traço Bravo, destinada ao ataque de superfície, terá cinco exemplares, aumentando exponencialmente a capacidade dissuasória de um Grupo Tarefa onde esses helicópteros operem. Todos podem usar óculos de versão noturna, e no caso do Bravo, devemos entendê-lo como um escalonamento de capacidades que começa com os AH-11B Super Lynx lançando mísseis Sea Skua, incluindo ataques noturnos a partir dos escoltas, passa pelos SH-16 Sea Hawk e seus mísseis Penguim e chega ao UH-15B armado com o Exocet MM-40. Com a capacidade de aviação de um navio como o G-40 Bahia, devemos ampliar o envelope de vento, preparando o caminho para operações noturnas a bordo com segurança (na Aspirantex, o Bahia operou pela primeira vez na Marinha do Brasil com quatro helicópteros de médio/grande porte destacados a bordo).

E quanto ao SH-16 Sea Hawk? O que ele traz de novo para a Força Aeronaval?

O SH-16 é reconhecido pelas suas habilidades na guerra antissubmarina, e estamos bastante impressionados, positivamente, com suas capacidades de guerra de superfície e guerra eletrônica, ainda estamos descobrindo potencialidades de emprego para o Sea Hawk que não tínhamos antes de sua chegada. Todos os seis helicópteros estão entregues, alguns ainda gozando de garantia do fabricante. A forma segura e automática como o SH-16 faz a transição do voo reto e nivelado para o voo pairado sobre o mar (hoverar), de dia ou a noite, merece destaque, pois em operações SAR no mar isso faz toda a diferença entre viver ou morrer. Na Missilex 2016, o tipo disparou o míssil Penguim com 100% de sucesso, comprovando sua habilidade de incapacitar um navio de combate. Nos falta ainda receber o simulador do modelo, um contrato em separado e que deverá estar concluído até o início de 2019.

Com tantos programas e entregas em andamento, a Base Aeronaval de São Pedro da Aldeia precisou ser submetida a mudanças em termos de instalações e apoio de logística?

A infraestrutura da Base Aeronaval de São Pedro da Aldeia já foi pensada para receber melhoramentos em paralelo com os programas de modernização. Os contratos assinados estão sendo cumpridos, e mesmo com a contigenciação de recursos em 2015 e 2016 e as necessárias readequações, deveremos começar a construir um novo hangar para os UH-15 do Esquadrão HU-2, refazer pátios e recapear pistas e taxiways, dentre outras obras de expansão como reforma da torre de controle e rancho, e a modernização de equipamentos de comunicações. A Base também passou a contar com hospital e policlínica próprios, capaz de atender a todo o pessoal aeronavegante, e também está atendendo o pessoal inativo de toda a Região dos Lagos (RJ). A criação de novas Organizações Militares como o Centro de Intendência da Marinha em São Pedro da Aldeia comprovam o acerto desse crescimento, mesmo com tantos desafios a serem superados.

Imagens: Roberto Caiafa / Marinha do Brasil

Infodefensa entrevistou o ComForAer a bordo do NDCC Almirante Sabóia.

 © Information & Design Solutions, S.L. Todos los derechos reservados. Este artículo no puede ser fotocopiado ni reproducido por cualquier otro medio sin licencia otorgada por la empresa editora. Queda prohibida la reproducción pública de este artículo, en todo o en parte, por cualquier medio, sin permiso expreso y por escrito de la empresa editora.

SÍGUENOS EN

ENVÍO DE LA NOTICIA A UN AMIGO
Correo electrónico
Tu nombre
Mensaje