menú responsive
AMÉRICA | Defensa
-/5 | 0 votos

Tríplice fronteira Brasil, Colômbia e Peru

Tabatinga sediará em novembro o Exercício Logístico Multinacional Amazonlog 2017

O 8ºBIS deverá sediar o evento em Tabatinga (AM). Fotos: Roberto Caiafa

O 8ºBIS deverá sediar o evento em Tabatinga (AM). Fotos: Roberto Caiafa

07/04/2017 | São Paulo

Roberto Caiafa

O Comando Logístico (Colog) do Exército Brasileiro (EB) vai realizar o exercício logístico multinacional Amazonlog 2017 na cidade de Tabatinga, na tríplice fronteira entre Brasil, Colômbia e Peru, a mais de 1.100 km de Manaus, capital do estado amazonense.

O evento vai ocorrer entre os dias 21 e 28 de novembro de 2017. O exercício tem como foco a mobilização de recursos de logística que são operados por os membros dos exércitos de vários países americanos, conhecidos como Unidades Logísticas Multinacionais Integradas.

Seu objetivo é colaborar na simulação de diversas ações dos exércitos em diferentes casos que são comuns ao trabalho cotidiano.

O controle de fluxos migratórios não autorizados, a assistência humanitária em grandes eventos, as operações de paz em regiões remotas, os crimes transnacionais, as ações contra o narcotráfico e os crimes ambientais são temas referentes no AMAZONLOG 2017. Países como Bolívia, Colômbia, Estados Unidos e Peru já confirmaram sua presença na atividade. A organização espera receber mais de 300 militares estrangeiros.

Na oportunidade, diversos órgãos e agências estarão presentes, dentre as quais, a prefeitura de Tabatinga, por intermédio de representantes das secretarias de Saúde e de Educação; as polícias Federal, Militar e Civil; a Receita Federal; a Capitania dos Portos; a empresa brasileira de Infraestrutura Aeroportuária; a Agência Brasileira de Inteligência; o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis; a Secretaria Especial de Saúde Indígena; e a Fundação Nacional do Índio.

 “O lugar escolhido foi Tabatinga porque queremos mostrar ao mundo as dificuldades da nossa Amazônia”, explicou o general-de-exército Guilherme Cals Theophilo, comandante logístico do EB em Brasília.

“Se fizéssemos na capital do Estado do Amazonas, Manaus, encobriríamos essas dificuldades. O bom é mostrar a logística, as mudanças do clima, a nossa floresta e concomitantemente mostrar o emprego dual tanto para a guerra como para a paz, um debate científico e tecnológico, para que pesquisadores apontem projetos sustentáveis para a Amazônia, e a gente possa montar isso sem agredir a floresta".

Experiência

O exercício é inédito nas Américas e tomou como ponto de partida operação da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), conhecida como Capable Logistician, realizada na Hungria, em 2015. A experiência da OTAN mobilizou 1.700 militares em uma simulação de ajuda logística a 30.000 militares.

Tabatinga, local do evento, está localizada no meio da selva amazônica, à margem esquerda do Rio Solimões, que faz fronteira com a Colômbia e o Peru. O foco nas Américas é a questão humanitária da simulação que envolverá diversos países, agências e as Forças Armadas brasileiras. As atividades e ações do Amazonlog visarão ao adestramento no campo da logística humanitária, bem como à prevenção e à repressão aos ilícitos transfronteiriços na região da tríplice fronteira entre Brasil, Colômbia e Peru, em um trabalho interagêncial.

Logística

Deverão participar do Amazonlog 2017 as tropas de logística da Colômbia, Bolívia, Argentina, do Peru, Equador, Chile, Uruguai, dos Estados Unidos, do Panamá e Canadá, além de observadores da Junta Interamericana de Defesa, da Conferência dos Exércitos Americanos e do Conselho de Defesa Sul-Americano.

Em sua estrutura, o Amazonlog contará com uma direção do exercício e um Estado-Maior Combinado, além de tropas brasileiras, colombianas e peruanas e representantes de agências dos três países. O apoio será provido por Unidades Logísticas Multinacionais da Base Logística Multinacional. Os países participantes irão contribuir com pessoal, viaturas, aeronaves e equipamentos logísticos de todo o tipo. O local que abrigará todos esses equipamentos será o 8º Batalhão de Infantaria de Selva (8º BIS) e o Aeroporto Internacional de Tabatinga.

Os diversos cenários na selva amazônica para as atividades consistirão em troca de experiências sobre purificação da água e seu armazenamento, ativação de postos de distribuição de combustíveis, infraestrutura de engenharia para logística, montagem de hospitais de campanha que prestarão serviço a civis da região e ativação de centros de transporte de tropas e de suprimentos essenciais dentro e fora da área de operações.

A partir do exercício, o  general-de-exército Theophilo espera que todas as ações de ajuda humanitária propostas pela Organização dos Estados Americanos sejam realizadas com uma definição prévia da contribuição de cada nação. “O trabalho tem que ser feito de forma reativa e não proativa. Quando acontece o desastre, vai se estudar qual o país que vai enviar a ajuda, quem pode enviá-la, quem tem recursos e especialidades disponíveis. Queremos montar um programa em que cada país tenha uma especialidade própria para que prontamente, quando houver o desastre, ele contribua na montagem da base logística multinacional e comece a atender essa população”, declarou.

Imagens: Roberto Caiafa

 © Information & Design Solutions, S.L. Todos los derechos reservados. Este artículo no puede ser fotocopiado ni reproducido por cualquier otro medio sin licencia otorgada por la empresa editora. Queda prohibida la reproducción pública de este artículo, en todo o en parte, por cualquier medio, sin permiso expreso y por escrito de la empresa editora.

SÍGUENOS EN

ENVÍO DE LA NOTICIA A UN AMIGO
Correo electrónico
Tu nombre
Mensaje