menú responsive
AMÉRICA | Defensa
-/5 | 0 votos

Programa de Reaparelhamento da Marinha do Brasil

Corveta "Barroso" realiza verificação dos sistemas de combate

A V-34 Barroso operando em conjunto com um SH-16 da Aviação Naval. Foto: Roberto Caiafa

A V-34 Barroso operando em conjunto com um SH-16 da Aviação Naval. Foto: Roberto Caiafa

11/05/2017 | Rio de Janeiro

Roberto Caiafa

No final de abril, a "corveta Barroso" desatracou do Arsenal de Marinha do Rio De Janeiro (AMRJ), para realizar uma verificação dos sistemas de combate (sensores e armamentos) e controle da propulsão (praça de máquinas, passadiço, engenharia).

O navio está prestes a completar 10 anos atuando na Marinha do Brasil. Sua futura substituta, a nova "Classe Tamandaré", deverá ocupar o seu lugar quando a V-34 alcançar duas décadas de bons serviços prestados ao País.

Na ocasião, embarcaram o diretor-geral do Material da Marinha, almirante-de-esquadra Luiz Henrique Caroli, acompanhado pelo diretor de Sistemas de Armas da Marinha, vice-almirante José Renato De Oliveira.

Recebidos a bordo pelo Comandante da Força de Superfície, contra-almirante Wladmilson Borges de Aguiar, as autoridades visitaram o Centro de Operações de Combate e o Centro de Controle de Máquinas.

A "Barroso" foi construída pelo AMRJ com a participação da Empresa Gerencial de Projetos Navais (Emgepron), na integração dos seus sistemas de combate.

A corveta foi projetada para flutuar, navegar e combater em um ambiente de múltiplas ameaças de superfície e submarinas, com ênfase no emprego em missões de escolta a forças navais e comboios.

Para cumprir essas missões, o navio está armado com um Sistema de lançamento MM40L para 4 mísseis superfície-superfície Exocet MM-40 Block II ou MM-40 Block III, 2 lançadores de torpedos anti-submarinos MK-46 mod.5, 1 canhão de 4,5 polegadas (114,3mm) L55 Mk 8 com alcance de 22 km (montado na proa).

A Barroso também conta, a meia-nau, com um canhão de fogo rápido BAE Systems Bofors Trinity Mk 3 40mm com alça optrônica EOS-400 e alcance de 10 km, para defesa próxima contra mísseis, drones e aeronaves.

O hangar do navio pode receber e operar um helicóptero AH-11 Super Lynx ou UH-12/13 Helibras Esquilo.

Nesses 10 anos, a V-34 atuou em diversos exercícios e operações, cumprindo também uma extensa agenda de missões internacionais, inclusive a serviço da Organização das Nações Unidas (ONU/UN), como por exemplo, no Líbano (Unifil). 

Imagens: Marinha do Brasil/Roberto Caiafa

 © Information & Design Solutions, S.L. Todos los derechos reservados. Este artículo no puede ser fotocopiado ni reproducido por cualquier otro medio sin licencia otorgada por la empresa editora. Queda prohibida la reproducción pública de este artículo, en todo o en parte, por cualquier medio, sin permiso expreso y por escrito de la empresa editora.

SÍGUENOS EN

ENVÍO DE LA NOTICIA A UN AMIGO
Correo electrónico
Tu nombre
Mensaje