menú responsive
AMÉRICA | Contratación
-/5 | 0 votos

Visita de uma delegação do Exército à Itália e à Suíça

Brasil mostra interesse em um lote de Leopard 1A5 desativado pela Itália

Leopard IA5. Foto: Roberto Caiafa.

Leopard IA5. Foto: Roberto Caiafa.

08/09/2017 | São Paulo, SP

Roberto Caiafa

Após renovar por mais 10 anos o contrato de mantenimento da frota de 230 carros de combate Leopard 1A5 BR e 36 blindados antiaéreos Gepard 1A2 com a KMW do Brasil (avaliado em 80 milhões de euros), rumores em Brasília dão conta do interesse do EB em avaliar um lote de 120 MBTs Leopard 1 A5 desativados pelo Exército Italiano após a introdução do MBT Aríete, de projeto nacional.

Nenhum documento oficial recente da Força Terrestre brasileira confirma os rumores do envio de uma comitiva de oficiais e praças, no mês de setembro, a cidade de Vilesse, nordeste italiano, sede do Grupo Goriziane, empresa privada que presta, através da sua divisão de defesa, serviços de recondicionamento/retrofit/modernização a carros de combate e outros materiais blindados retirados do serviço ativo e disponibilizados posteriormente para venda.

Outro aspecto importante com relação a visita em Vilesse (Itália) é a ênfase colocada na negociação dos veículos especializados do tipo "Leopard Bergepanzer" (carro de socorro/resgate), "Leopard Biber" (lança-pontes com capacidade de suportar 60 toneladas) e "PionierLeopard" (carro de socorro com capacidade extra de serviços de engenharia).

As fontes ouvidas por Infodefensa na apuração desses rumores falaram do interesse brasileiro em 13 veículos desses modelos restantes no inventário do Exército Italiano*.

A segunda escala desse grupo de militares seria a Suíça, mais especificamente uma visita a cidade de Thun, sede da RUAG Land Systems, e a 11ª Brigada Mecanizada do Exército Suíço** em Winterhur, cidade próxima a capital Zurique.

Militares do EB na Suíça, esse foi o ponto de partida para a reportagem de Infodefensa, já que a existência do lote de MBTs Leopard 1A5 italianos já não é segredo a um bom tempo.

A presença de uma comitiva na Suíça teria a ver com o destino dado ao lote de 120 Leopard 1A5 excedentes italianos.

Segundo essas mesmas fontes, esses carros teriam sido adquiridos pela empresa suíça RUAG Land Systems e estariam estocados naquele País e disponíveis para venda.

Segundo essas mesmas fontes relataram a reportagem de Infodefensa, em junho último, militares do Exército Brasileiro estiveram na Alemanha e inspecionaram carros Leopard 1A5 lá estocados.

Acontece que a RUAG Land Systems possui uma grande unidade comercial de defesa em território alemão, a RUAG Defence Deutschland GmbH, com laboratórios e depósitos localizados na cidade de Kaufungen e sede administrativa em Kassel.

No website dessa instalação, é descrita a capacidade desta manutenir, modernizar e fornecer spare parts (peças e componentes) de veículos militares (160.000 ítens em estoque), e a existência de competências de engenharia aplicadas na produção de protótipos.

Foto que ilustra o website (ao lado) mostra um Leopard 1A5 bastante modificado.

Ao final da apresentação, pode-se ler a frase "Nossos principais mercados de vendas estão na Europa, Ásia, América do Norte e América do Sul, além dos Emirados Árabes Unidos (região do Golfo Pérsico).

Para concretizar a compra de Leopard 1A5 adicionais e veículos especializados socorro/resgate/engenharia/lança-pontes, mais uma vez de acordo com as fontes ouvidas pela reportagem de Infodefensa, o Governo Brasileiro e o Alto-Comando do EB impuseram uma condição, a repetição do modelo de compra governo a governo, tal como feito na aquisição do lote de 230 Leopard 1A5 e 36 blindados antiaéreos Gepard 1A2.

Naquela ocasião (2005-2006), o Governo Alemão, em nome Governo Brasileiro, intermediou todas as negociações com empresas de defesa locais, selecionou aquelas que atendiam os requerimentos do EB e fiscalizou todo o processo de retrofit/recondicionamento, embalagem e transporte até o porto/navio dos carros de combate, peças e componentes, ferramental, manuais, munições e demais insumos relacionados, incluindo aí viaturas especializadas diversas.

A quantidade de blindados Leopard 1A5 disponíveis, tanto na Alemanha (?), quanto na Itália/Suíça (120), permitiria ao EB aposentar definitivamente os exemplares restantes de uma compra de 130 Leopard 1Be ex Exército da Bélgica, entregues a partir de 1997 juntamente com um lote de 91 MBTs M60 A3 TTS excedentes dos estoques do Exército dos Estados Unidos (US Army).

Somente 48 exemplares do Leopard 1Be encontram-se operacionais, segundo os últimos informes publicados.

Nos dados fornecidos a reportagem de Infodefensa, os números pretendidos pelo EB oscilam entre 39 exemplares para uma compra mínima até um total de 99 unidades.

Não se sabe se o pacote logístico resultante englobaria uma modernização dos carros, mas isso é algo que tanto a RUAG quanto a KMW estão aptas a fazer, pois seus departamentos de engenharia possuem amplo conhecimento da família Leopard 1 e 2.

Outra questão que deve causar fortes discussões, caso a compra venha a ser contratada, é o papel reservado a KMW do Brasil e suas instalações na cidade de Santa Maria (núcleo do poder blindado brasileiro), em um cenário onde a RUAG, por exemplo, forneceria os Leopard 1A5 e seria responsável pelo desenvolvimento/construção de protótipo cabeça de série para uma "modernização" da frota brasileira.

A recente e tensa negociação entre a KMW do Brasil e o EB para a renovação do contrato de manutenção dos Leopard 1A5 BR/Gepard 1A2  até 2027, mais o fato de que existe uma evidente "capacidade ociosa" nas modernas e dispendiosas instalações erguidas na cidade gaúcha poderiam permitir esse tipo de arranjo, ou forçar a empresa alemã (fabricante original do Leopard 1A5) a negociar condições mais vantajosas para o Exército Brasileiro se desejar atuar sozinha nessa empreitada.NOTAS:

*A Itália, após adotar o KMW Leopard 1, substituiu os carros M47, M74 e os vetustos M32 (um derivado de Sherman anterior ao M74) encomendando 69 exemplares do veículo KMW Bergepanzer/Biber/Pionier.

Posteriormente, outros 67 foram construídos sob licença pela empresa OTO Melara em La Spezia.

** Uma pesquisa sobre a linha de batalha da 11º Brigada Mecanizada do Exército Suíço (Panzer Brigade 11) mostra que ela é formada pelo 10º Batalhão Mecanizado de Reconhecimento, 13º, 14º e 29º Batalhões de Tanques, 27ª Batalhão de Infantaria Mecanizada, 11º Batalhão de Engenharia e 11º Batalhão de Apoio ao Comando (Leadership Support).

Trata-se da "reserva operacional estratégica" no esquema defensivo nacional suíço.

Basicamente, seu equipamento blindado principal é o carro de combate KMW Leopard 2 e suas versões de socorro/resgate/engenharia.

 © Information & Design Solutions, S.L. Todos los derechos reservados. Este artículo no puede ser fotocopiado ni reproducido por cualquier otro medio sin licencia otorgada por la empresa editora. Queda prohibida la reproducción pública de este artículo, en todo o en parte, por cualquier medio, sin permiso expreso y por escrito de la empresa editora.

SÍGUENOS EN

APPS

ENVÍO DE LA NOTICIA A UN AMIGO
Correo electrónico
Tu nombre
Mensaje