menú responsive
AMÉRICA | Seguridad
-/5 | 0 votos

Vila Militar da Marinha do Brasil escapa de ataque por pouco

Garimpeiros atacam e incendeiam Orgãos Federais em Humaitá

Vândalos ateiam fogo em prédios, barcos e veículos do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (IBAMA).

Vândalos ateiam fogo em prédios, barcos e veículos do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (IBAMA).

04/11/2017 | Humaitá, AM

Roberto Caiafa

Na última sexta-feira (27/10) após uma ação conjunta contra a exploração ilegal de garimpo na região do Rio Madeira, a Operação Ouro Fino, realizada próximo a cidade de Humaitá (sul do Estado do Amazonas, distante 685 Km de Manaus), contou com a participação de agentes do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA) militares da Força Nacional e Marinha do Brasil e técnicos/especialistas do ICMBio ( Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade).

Na ação, dezenas de balsas ilegais foram apreendidas e em seguida, destruídas a mando da autoridade governamental (incendiadas). Segundo a ocorrência registrada pelo 4º Batalhão de Polícia Militar (4º BPM), por volta de três horas da tarde (horário local) daquela sexta-feira iniciou-se uma revolta "popular" com uma manifestação inicialmente pacifica.

Esta evoluiu rapidamente para ações de vandalismo e destruição de prédios públicos, como resposta dos garimpeiros as ações governamentais no entorno da Floresta Nacional de Humaitá, quando o Ibama apreendeu 42 balsas que estavam sendo usadas para o garimpo. Recorrendo a uma previsão legal já aplicada em outras operações de fiscalização no país, o órgão destruiu 31 dessas embarcações.

Em represália, e acreditando na impunidade, garimpeiros deslocaram-se em fúria e atearam fogo em alguns prédios públicos federais da cidade. A localidade tem 52 mil habitantes e convive com uma população flutuante de 2 mil garimpeiros em média, a maioria de comportamento violento e anti-social, conforme relatos do próprio noticiário policial local.

O comandante do 4° BPM, major PM J.Antônio deflagrou o plano de contingência do seu comando, acionando todos os policiais de serviço e de folga, contabilizando cerca de 145 militares, todos destacados imediatamente para resguardar a vida dos agentes fiscais federais e manter a ordem pública.

 A "revolta" propagada pelo grupo de criminosos garimpeiros espalhou-se por diversos pontos da cidade, e a sede do IBAMA (Avenida Transamazônica), foi o primeiro imóvel público incendiado, a seguir o grupos de garimpeiros atacou a sede do ICMBio (Rua Julio de Oliveira).

Nesse momento, e contando com o decisivo apoio da tropa da Força Nacional, foi possível aos policiais defenderem a sede do Incra, o posto de guarnição da Marinha do Brasil, o prédio da Prefeitura Municipal de Humaitá e a estratégica balsa que faz a travessia na rodovia BR-230 (se destruída, isolaria o município por terra), além da residência do gerente do IBAMA.

No caso do ataque a Vila Militar da Marinha do Brasil, este não se consumou devido a decisiva ação policial, enfrentando o grupo de garimpeiros amotinados e dispersando-os após confronto de grande violência.

Militares da Marinha e familiares tentavam explicar através do Whatsapp quem não tinham nenhum envolvimento com o incêndio contra os garimpeiros, e alertavam para a presença, na Vila Militar, de crianças. Por algumas horas, o clima foi de completo terror.

A Marinha confirmou em nota que os garimpeiros também “tentaram invadir e incendiar a sede da Agência Fluvial de Humaitá (AgHumaitá)”, uma unidade da Força. “A ação foi contida pelos militares da Marinha com o apoio do Exército Brasileiro e da Polícia Militar do Amazonas”.

O navio-patrulha fluvial NaPaFlu P-20 Rondônia foi imediatamente enviado a partir de Porto Velho (RO) com uma tripulação de 56 homens. Esse navio está equipado com um canhão de proa 40mm, seis metralhadoras pesadas de 12,7mm e dois morteiros de 80mm, e vai reforçar a presença federal na região enquanto a situação o requerer.

O Centro de Comunicação Social do 9º Distrito Naval informou que desde a última terça-feira (24/10), a Marinha do Brasil vinha dando apoio à Operação Ouro Fino. “A prática do garimpo de forma irregular, além de causar prejuízos nocivos ao meio ambiente, contribui para o assoreamento dos rios, contamina as águas com produtos proibidos usados na mineração ilegal, bem como dificulta a navegação, além da óbvia evasão de divisas e disseminação de práticas criminosas”.

No sábado chegou o reforço de Policiais Rodoviários Federais com oito viaturas, agentes da Polícia Federal com três viaturas e soldados da Força Nacional, com cinco viaturas, mais uma força de 32 policiais militares locais mantidos realizando rondas constantes nos pontos críticos.

Uma viatura da Força Tática (PMAM) está destacada H-24 controlando os acessos a base da Marinha do Brasil, e 40 policiais militares estão de sobreaviso, prontos a intervir. Uma aeronave C-105 Amazonas da Força Aérea levou um pelotão de 40 Fuzileiros Navais da Base de Fuzileiros de Manaus, fortemente armados, para auxiliar no reforço a cidade de Humaitá e também para defender as áreas sob a responsabilidade da força naval.

Imagens: Jornal de Humaitá, Marinha do Brasil, Gazeta do Povo.

 

 © Information & Design Solutions, S.L. Todos los derechos reservados. Este artículo no puede ser fotocopiado ni reproducido por cualquier otro medio sin licencia otorgada por la empresa editora. Queda prohibida la reproducción pública de este artículo, en todo o en parte, por cualquier medio, sin permiso expreso y por escrito de la empresa editora.

SÍGUENOS EN

APPS

ENVÍO DE LA NOTICIA A UN AMIGO
Correo electrónico
Tu nombre
Mensaje