menú responsive
AMÉRICA | Defensa
-/5 | 0 votos

Um contrato de 99,6 milhões de dólares

Jungmann inspeciona os trabalhos da estação antártica Ferraz

200 operários da China National Electronics Import & Export Corporation (CEIEC) trabalham na obra.

200 operários da China National Electronics Import & Export Corporation (CEIEC) trabalham na obra.

16/02/2018 | Belo Horizonte, MG

Roberto Caiafa

Na 1ª semana de fevereiro o ministro da Defesa do Brasil, Raul Jungmann, vistoriou as obras da nova Estação Antártica Comandante Ferraz, base de pesquisa que pertence ao Brasil, no continente gelado. 

O ministro desembarcou primeiramente na base antártica chilena presidente Eduardo Frei Montalva e de lá, seguiu de helicóptero até o canteiro de obras da estação brasileira, onde recebeu as informações sobre o andamento do trabalho.

"Aqui são desenvolvidas pesquisas do mais alto nível e o Brasil mostra sua bandeira. Mais uma vez demonstra que é um país que se preocupa com a humanidade e o meio ambiente", declarou Jungmann ao final da visita à estação, que está sendo reconstruída após um incêndio em 2012.

Devido às condições climáticas extremas do inverno antártico, as obras de reconstrução só ocorrem entre os meses de novembro e março de cada ano. Nesse ritmo, a previsão é que a nova estação esteja pronta no próximo verão, em 2019.

Atualmente, cerca de 200 operários chineses da empresa China National Electronics Import & Export Corporation (CEIEC), vencedora da licitação, trabalham na obra da nova estação na Ilha Rei George. O custo total da obra, sob a supervisão da Marinha do Brasil, é de US$ 99,6 milhões (€81.4 milhões de euros).

O comandante da Marinha, almirante Eduardo Bacellar Leal Ferreira, que também acompanhou a inspeção, afirmou que a Força Naval e diversos parceiros fazem um grande esforço em prol dos interesses brasileiros na Antártica.

O embaixador brasileiro no Chile, Carlos Sérgio Sobral Duarte, também acompanhou a visita, além de outras autoridades militares.

A nova base de 4,5 mil metros quadrados, com modernas instalações e uma vista privilegiada para a geleira azulada Wanda, terá 17 laboratórios, ultrafreezers para armazenamento de amostras coletadas pelos pesquisadores do Programa Antártico Brasileiro (PROANTAR), que desde 1982 desenvolvem pesquisas em áreas como oceanografia e biologia, entre outras. A estação poderá abrigar até 65 pessoas.

O PROANTAR é um projeto interministerial coordenado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

O Ministério da Defesa, por meio da Marinha do Brasil e da Força Aérea Brasileira, presta apoio aos pesquisadores de Instituições de Ensino Superior (IES).

De acordo com o secretário da Comissão Interministerial para os Recursos do Mar, almirante Renato Batista de Melo, a Marinha dentro do PROANTAR é responsável pela parte logística. "A Marinha provê aos pesquisadores todas as condições básicas para realizarem suas pesquisas, selecionadas pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ) ou MCTIC. “Realizamos o transporte até a Antártica e proporcionamos facilidades para a pesquisa, seja na estação Comandante Ferraz, ou nos acampamentos ou a bordo dos navios da Marinha: o almirante Maximiano e o Ary Rongel", disse.

O pesquisador e professor Carlos Fugita, da Universidade Federal de Rio Grande (FURG) é um dos profissionais que neste momento encontra-se a bordo do navio polar Ary Rongel. "Estamos iniciando uma expedição para mapear propriedades físico-químicas na região da Península Antártica, que tem uma grande contribuição para aspectos relacionados a variações climáticas. O que acontece na Antártica tem um reflexo global", comentou.

A estudante Mariah Borges, da mesma universidade, participa pela segunda vez do programa. "A previsão é ficar 20 dias no mar a bordo do navio almirante Maximiano”, afirmou.

Anualmente, a Marinha apoia 200 pesquisadores em 21 projetos de pesquisa. Esta versão de 2018 já é a 36ª da PROANTAR.

Imagens: Ministério da Defesa do Brasil.

 © Information & Design Solutions, S.L. Todos los derechos reservados. Este artículo no puede ser fotocopiado ni reproducido por cualquier otro medio sin licencia otorgada por la empresa editora. Queda prohibida la reproducción pública de este artículo, en todo o en parte, por cualquier medio, sin permiso expreso y por escrito de la empresa editora.

SÍGUENOS EN

APPS

ENVÍO DE LA NOTICIA A UN AMIGO
Correo electrónico
Tu nombre
Mensaje