menú responsive
AMÉRICA | Defensa
-/5 | 0 votos

Seminário organizado pela Comdefesa-GO e ACIA

Goiás aposta na criação de pólo industrial de defesa em Anápolis

Autoridades durante a cerimônia de abertura do seminário

Autoridades durante a cerimônia de abertura do seminário

23/08/2018 | Anápolis, GO

Roberto Caiafa

Comitê de Indústria de Defesa e Segurança de Goiás (Comdefesa-GO) e a Associação Comercial e Industrial de Anápolis (ACIA) realizaram, nos dias 16 e 17 de agosto, o 1º Seminário de Defesa do Estado de Goiás. O evento divulgou iniciativas realizadas no Estado de Goiás para a criação de um polo industrial de defesa e segurança em Anápolis.

Empresários, estudantes, representantes de embaixadas, representantes do ministério da Defesa e das Forças Armadas participaram do evento, realizado no Centro de Convenções de Anápolis. Cerca de 800 pessoas estiveram na cerimônia de abertura do seminário.

O secretário-geral do Ministério daDefesa, brigadeiro Carlos Augusto Amaral, representou o ministro Joaquim Silva e Luna e destacou o papel do Comdefesa-GO para a comunicação com grandes e pequenas empresas. “É muito importante que tenhamos um interlocutor, que é aquele que catalisa os interesses da indústria. Na cadeia de fornecimento tem muitas empresas pequenas que não tem acesso à legislação, financiamento, nem a um diálogo conosco. E a atuação do Comdefesa-GO dinamiza a interlocução de pequenas empresas com o ministério”, afirmou.

Na ocasião, o reitor do Instituto Tecnológico Aeroespacial (ITA), professor Anderson Ribeiro Correa, representou o diretor do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), da Aeronáutica, durante a assinatura de um memorando de entendimento entre a Universidade do Estado de Goiás (UEG) e a Federação das Indústrias(FIEG) do estado de Goiás.

O ato visa ampliar as ações de cooperação institucional, técnica e acadêmica e antecipa um acordo para a criação de um curso de pós-graduação em Engenharia e Gestão de Tecnologia na Universidade.

Ocorreu, ainda, a assinatura de um protocolo de intenções entre FIEG, o Comdefesa-GO e a Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (SUDECO), com a finalidade de divulgar a viabilidade de financiamentos para indústrias do segmento de defesa de Anápolis.

Entre os atrativos apontados pelo Comdefesa-GO, para a criação de um parque de produção e emprego em Anápolis, está o imposto mais baixo oferecido pelo estado para a linha de defesa. “Hoje nós temos uma redução para produtos de defesa em itens como pneus, tratores e peças. O nosso ICMS é de 4%”, explicou Anastácios Apolostos Dagios, presidente da ACIA e do Comdefesa-GO.

O posicionamento estratégico da cidade, no centro do país, e a localização da Base Aérea de Anápolis (Ala 2), lugar onde ficarão as duas novas aeronaves da Aeronáutica: o cargueiro KC-390 e o caça Gripen NG, também tornam o município mais atrativo à implantação de um parque de produção e emprego.
 

Forças Armadas, universidades e indústria 

 

A chamada tríplice hélice foi outro ponto bastante discutido no seminário. Formada pela convergência da união entre indústria, Forças Armadas e universidade. Essa integração estimula inovações e a capacitação de recursos humanos no meio industrial e universitário.

“As empresas possibilitam a criação de novos produtos com mais tecnologia e competitividade no cenário nacional e internacional. E as universidades são fundamentais para essas novas soluções”, destacou o diretor do Departamento de Produtos de Defesa (Deprod), brigadeiro Paulo Roberto de Barros Chã.

Para o diretor da Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança (Abimde), José Cláudio Manesco, é preciso estimular a sociedade como um todo para crescer economicamente e conquistar autonomia. “Nós acreditamos que investir em defesa é a alternativa econômica do país. É investir na capacidade do país ser auto-sustentável”, ponderou.

Nos dois dias do evento, foram realizados painéis e debates explicando como as Forças Armadas atuam para fortalecer e desenvolver a indústria de defesa nacional.

Segundo dados repassados pela Abimde, aproximadamente 60 mil empregos diretos e 240 mil indiretos são gerados pela indústria de defesa e segurança no Brasil.

COMDEFESA

 

Em janeiro deste ano, a Federação das Indústrias do Estado de Goiás (FIEG) e a Associação Comercial e Industrial de Anápolis (ACIA) criaram o Comitê da Indústria de Defesa e Segurança de Goiás (COMDEFESA-GO).

A iniciativa visa apoiar na identificação de oportunidades de negócios para que empresas goianas atendam as demandas relacionadas às Forças Armadas e às forças de segurança. 

Para mais informações sobre seminário, acesse http://aciaanapolis.com.br/seminario2018/.

Imágenes: Roberto Caiafa ALBUM de IMÀGENES CLIQUE QUI

 © Information & Design Solutions, S.L. Todos los derechos reservados. Este artículo no puede ser fotocopiado ni reproducido por cualquier otro medio sin licencia otorgada por la empresa editora. Queda prohibida la reproducción pública de este artículo, en todo o en parte, por cualquier medio, sin permiso expreso y por escrito de la empresa editora.

SÍGUENOS EN

APPS

ENVÍO DE LA NOTICIA A UN AMIGO
Correo electrónico
Tu nombre
Mensaje