menú responsive
AMÉRICA | Armada
-/5 | 0 votos

Reportaje INFODEFENSA

S-Cube, o ouvido do S40 Riachuelo

SSk Classe Riachuelo: o mais moderno submarino diesel-elétrico da América do Sul.

SSk Classe Riachuelo: o mais moderno submarino diesel-elétrico da América do Sul.

09/01/2019 | Belo Horizonte

R. Caiafa

Em dezembro de 2008, o Brasil colocou encomendas para quatro submarinos de ataque diesel-elétricos designados S40 Riachuelo, S41 Humaita, S42 Tonelero e S43 Angostura.

A construção do primeiro submarino, baseado no modelo francês Scorpene, começou em julho de 2011 através de uma joint venture criada pelo Naval Group e pela Odebrecht do Brasil.

O submarino líder da classe, o S40 Riachuelo, foi oficialmente lançado em 14 de dezembro de 2018 e deverá ser incorporado ao setor operativo da Esquadra em 2020.

Por fim, até 2029 a Marinha construirá o primeiro Submarino com Propulsão Nuclear (SN-BR), que será batizado de "Álvaro Alberto", uma homenagem ao Almirante Brasileiro que foi o pioneiro no uso da tecnologia nuclear no País.

Os ouvidos da Classe Riachuelo

 

O Thales S-Cube, uma evolução da linha bem-sucedida de sonares do tipo Thales TSM 2233, foi selecionado para equipar os submarinos Scorpene encomendados pelo Chile, Malásia, Índia e Brasil.

Trata-se do sistema sonar totalmente integrado de última geração para submarinos de ataque equipados com propulsão convencional (denominados SSK).

A força decisiva do S-Cube está em sua arquitetura de sistema aberto (Open-source architecture ou OSA) e a facilidade de integração resultante de atualizações baseadas em equipamentos classificados como Commercial off-the-shelf ou COTS.

Interfaces padrão, protocolos e serviços acessíveis são usados para construir interoperabilidade, propiciando arquiteturas escaláveis que oferecem o melhor valor para o recurso empregado em todo o ciclo de vida do programa, de acordo com os recursos de cada cliente.

Com a família S-Cube baseada em OSA, é oferecida aos operadores a opção de atualizar suítes iniciais por hardware COTS, sendo facultado ir adicionando funcionalidades de software para produzir verdadeiramente capacidades multimissão.

Segundo explicou a reportagem de Infodefensa executivos da Thales Underwater Systems em Sophia Antipolis (França), os clientes podem priorizar capacidades e planejar atualizações em fases, uma flexibilidade sem precedentes.

Uma combinação vencedora

 

O desempenho comprovado do S-Cube depende de interfaces de operador simples e intuitivas e um sofisticado processamento de sinal acústico. Um feixe adaptável e a polimerização do difluoreto de vinilideno (PVDF) juntos garantem excelente eficiência acústica aos transdutores PVDF, ideais para matrizes de flanco submarino como o sistema TSM 2253 flank array que equipa a Classe Riachuelo (PLANAR Flank Array Sonar) integrado ao S-Cube.

Esse material fino, leve e fácil de instalar e manter (PVDF) tem demonstrado consistentemente alto desempenho tanto em águas profundas quanto rasas.

Durante a visita da reportagem de Infodefensa a Sophia Antipolis (França), unidade da Thales Underwater System onde essa tecnologia foi desenvolvida, foi possível visualizar em mãos a cerâmica especial que recebe os sons captados pelos transdutores plásticos PVDF,e também ver uma seção flank array do TSM 2253 revelando o complexo procedimento de montagem e solda/colagem dos componentes cerâmicos e plásticos.

O amplo catálogo Thales S-Cube inclui arrays (antenas sonar) de proa, flanco, casco, rebocado (por cabo), monitoramento do próprio ruído, MOAS (Mine & Obstacle Avoidance Sonar ou Sonar de Evitação de Minas e Obstáculos), mais o sonar de visada lateral de antena plana passiva Thales PLANAR FLANK ARRAY SONAR (capaz de prover consciência situacional e detecção avançada nos lóbulos laterais do submartino) e o Sonar Thales Velox M8 (matriz de interceptação).

O S-CUBE pode ser integrado em qualquer CMS, sendo operado a partir de consoles multifuncionais.

O sistema de gerenciamento e comando tático Thales SUBTICS (Submarine Tactical Information and Command System), que comanda e coordena a detecção acústica, a detecção ar/superfície, a navegação e o controle das armas do submarino, realiza a integração da suíte de sonares S-Cube

Como um sistema integrado, o SUBTICS oferece acesso instantâneo a todos os dados dos sensores.

Esses dados também podem ser pós-processados em um longo time-line (gravação e disponibilização dos eventos), a qualquer momento, a pedido do operador de sonar, proporcionando uma inestimável ferramenta para análise de contato e classificação.

Durante a visita as instalações da Omnisys, subsidiária da Thales baseada em São Bernardo do Campo (SP), a reportagem de Infodefensa pode observar a integração dos consoles SUBTICS do quarto submarino a ser entregue (S43 Angostura), e visualizar no despacho da empresa as caixas especiais seladas contendo os consoles de operadores e seus acessórios, destinados ao segundo submarino (S41 Humaita).

Sistemas complementares

 

Para realizar a navegação, a Classe Riachuelo conta com uma central inercial, Giro Laser Ring, receptores GPS e sistema de eco-sonda NUSS 2F Mk2.

Criado para anular torpedos do inimigo, o sistema defensivo Thales CONTRALTO emprega modernos despistadores /geradores de ruídos do tipo DECOY descartável e/ou rebocável.

Muitos dos equipamentos internos da Classe Riachuelo são montados sobre sustentações elásticas do tipo “shock-resistant” comuns em submarinos de propulsão nuclear. Essa tecnologia diminui sensivelmente as vibrações e ruídos para fora do casco, tornando o SSK mais silencioso.

Sistemas de armas

 

O submarino de ataque Classe Riachuelo pode transportar 18 torpedos pesados anti-navio e anti-submarino do tipo F.21 e mísseis anti-superfície do tipo EXOCET SM39 ou 30 minas (tipos variados).

O manuseio e carregamento de armas é totalmente automatizado.

O submarino está equipado na proa com seis tubos de torpedo de 21 polegadas, oferecendo capacidade de lançamento de descarga positiva através de uma bomba de turbina a ar comprimido (técnica usada tanto para lançar torpedos quanto mísseis SM.39 encapsulados).

Assim a Classe Riachuelo pode realizar missões antissubmarinas e antisuperfície em qualquer condição de mar, além de operações de infiltração e exfiltração de tropas especiais navais, sempre com alta taxa de discrição.

Essa família de submarinos de ataque convencionais servirá essencialmente para defender a costa brasileira e as instalações petrolíferas do pré-sal em alto mar contra eventuais ataques de embarcações militares de grande porte.

Segundo declarou o primeiro comandante do Riachuelo, capitão-de-corveta Edson do Vale, a simples presença de submarinos modernos e bem equipados defendendo o mar territorial do Brasil tem "enorme efeito dissuasório", pois o custo de um ataque naval por parte de um país com maior poder militar que o Brasil seria altíssimo, já que o S40 certamente conseguirá afundar unidades capitais do inimigo.

Imagens: Roberto Caiafa / Thales Underwater Systems / Gino Marcomini

 © Information & Design Solutions, S.L. Todos los derechos reservados. Este artículo no puede ser fotocopiado ni reproducido por cualquier otro medio sin licencia otorgada por la empresa editora. Queda prohibida la reproducción pública de este artículo, en todo o en parte, por cualquier medio, sin permiso expreso y por escrito de la empresa editora.

APPS

ENVÍO DE LA NOTICIA A UN AMIGO
Correo electrónico
Tu nombre
Mensaje