menú responsive
AMÉRICA | Armada
-/5 | 0 votos

Reportagem Infodefensa

A classe Reformador chega

10 Garcia

 Ver galería de fotos

28/03/2019 | Salina Cruz, Oaxaca

M. García/ Tradução de R.Caiafa

Em 26 de fevereiro, Infodefensa México teve a oportunidade de visitar o Estaleiro ASTIMAR 20 em Salina Cruz, Oaxaca, local onde está nascendo o navio ARM Reformador, mais conhecido como Classe Pola ou Long Range Ocean Patrol VesselVer vídeo.

A visita foi guiada por funcionários da Secretaria da Marinha do México (Semar) e, embora não tenha sido a primeira vez que Infodefensa.com visita o navio, a experiência desta vez foi superior as outras em todos os aspectos.Foto García

A cortesia naval guiou a fala e atos do Almirante Valência, marinheiro responsável pelo Estaleiro ASTIMAR 20, que liberou seu pessoal para mostrar o navio, respeitando, naturalmente, as convenções para equipamentos sensíveis.

A mensagem é clara: a Marinha do México não tem nada a esconder e está tremendamente orgulhosa de seu novo navio.

Este sucesso explica por que outras nações estão prestando muita atenção ao México e sua história de sucesso com o projeto Damen Sigma 10514.

O nome dado ao navio, Reformador, não é um capricho ou uma coincidência em uma lista de nomes, o Classe Pola vem reformar as concepções já ultrapassadas na defesa mexicana.

Com este tipo de navio o México diz ao mundo que está pronto para navegar em águas azuis e cuidar de seus recursos naturais com a melhor tecnologia possível e, adicionalmente, com navios feitos no México por mexicanos.Foto García

A visita foi orientada pelo capitão Pablo Cruz Loyo, que além de engenheiro naval, é diretor da área de projetos e construções navais.

Suas funções a bordo do Classe Pola são semelhantes às de um gerente de projeto.

Ele é um homem de tratamento amigável e profissional, está vestido com um macacão azul com patente e nome visíveis, capacete regulador (EPI), além de uma infinidade de ferramentas e lâmpadas presas ao macacão.

Loyo é um dos mexicanos responsáveis ​​pelo sucesso do projeto Pola.

Para absorver os conhecimentos da transferência de tecnologia, viveu durante quatro meses em Vlissingen (Países Baixos), como parte do acordo formado com a Damen, participando do treinamento do grupo residente em questões relacionadas à construção e administração do projeto.

O estaleiro

 

Imagine que o Astimar tenha a forma de uma ferradura, colocando a doca seca bem no centro.

Nosso passeio começa em uma extremidade daquela ferradura diante de uma área quase do tamanho de um campo de futebol, onde visualizamos o que foi mencionado no dia anterior pelo Almirante Sierra sobre novas técnicas de soldagem.

O piso deste espaço foi compactado e forrado com placas de metal perfeitamente niveladas. Desta forma, os técnicos de Damen ensinaram aos mexicanos como dispersar o calor da solda em direção ao solo, é um truque brilhante.Foto García

O clima de Salina Cruz é crucial, toda esta área tem proteções móveis para os trabalhadores que atuam soldando módulos e componentes em placas de metal sem serem fulminados pelo calor, que pode facilmente chegar a 45 ° C, se não houver essa proteção contra o sol.

O clima tem sido um dos desafios que os engenheiros mexicanos e da Damen enfrentaram ao montar um navio em condições muito diferentes das encontradas na Holanda.

Enquanto isso, o capitão Loyo continua com a jornada até a doca seca, passando por armazéns e outras áreas de trabalho. Ele explica o desafio de mover peças e módulos para a linha de montagem ao redor da barragem, o que resultou em mais aprendizado, transferência de técnicas e tecnologia por Damen.

Para os mexicanos, aprender sobre a gestão de projetos tem sido uma das maiores contribuições do estaleiro holandês para a Semar.

Na outra extremidade da ferradura pode-se ver o Classe Pola em toda a sua glória, muito em breve o navio deverá receber a pintura regulamentar da Armada de México.

O Capitão Loyo comunica-se via rádio com sua equipe a bordo e ordena uma limpeza da cena e remoção de alguns dutos na proa da embarcação, de modo a valorizar a estética das fotos, Loyo faz uma chamada, dá algumas ordens e, em segundos, os marinheiros saem no convés e removem os obstáculos visuais.

Em seguida, a reportagem de Infodefensa navegou ao redor do Reformador em uma pequena embarcação, partindo da popa a bombordo, até a proa. A agitação em torno do navio dá a impressão de que o Reformador está “vivo”, tal é a quantidade de pessoas trabalhando.

Embarque

 

Nada prepara você para chegar a bordo do Classe Pola pela popa, usando a plataforma de desembarque sob o hangar na frente de nós. Para todos os lados há trabalhadores afinando detalhes.

O navio está em fase de acabamento final e atenção aos detalhes é fundamental para tudo funcionar quando o novo Classe Pola for para o mar. Há uma massa de 493 trabalhadores a bordo (350 temporários e 143 militares).

Quando o capitão Loyo se aproxima, o pessoal da marinha o cumprimenta e anuncia sua presença a bordo.

No México, houve uma discussão equivocada sobre o comprimento do navio mexicano contra as dimensões originais do Projeto Sigma 10514. E sim, o comprimento do Reformador é de 107,5 metros, houve o acréscimo de uma extensão de 2,3 metros a meia-nau, bem na região da cabine de comando. Isto não se deve, de forma alguma, à acomodação do futuro sistema vertical de lançamento de mísseis; a Marinha Mexicana considerou introduzir um reforço da estrutura para operar um pesado helicóptero a partir dela.

Uma vez dentro do navio, vistamos as futuras salas de operações, a enfermaria e até o espaço onde os tubos de torpedos serão abrigados.

Muitas áreas já estão acabadas e apenas os interiores estão sendo detalhados com tetos, mas em outros a cacofonia da soldagem e as serras cortando metal ainda dominam. Evoluir ao longo dessas áreas é um trabalho intenso, alguns corredores e anteparas são delimitados apenas por capas plásticas que mantém a temperatura entre 15 ° C a 30 ° C.  

Já estamos encharcados de suor, o cheiro de solda e tinta fresca ocupa o ambiente; e à medida que avançamos, os trabalhadores (mulheres incluídas) viram-se indiferentes para continuar a trabalhar em suas anteparas. A experiência sensorial é crua e tremendamente poderosa.

A máquina

 

A sala de máquinas é uma obra de arte, a primeira pergunta que vem à mente ao ver os dois motores gigantescos é como alguém poderia colocar duas locomotivas nesta sala?

A usina de força é uma das principais qualidades da Classe Pola, pela primeira vez a Marinha mexicana vai operar um motor com E-drive. O assunto poderia ser discutido em vários capítulos, mas basta dizer que a propulsão do navios será diesel elétrica e o comandante do navio, no futuro, terá um motor como nenhum barco mexicano já teve, ecológico, altamente eficiente e capaz de impulsionar o navio eletricamente em certos perfis operacionais sem comprometer a demanda a bordo.

Outra das melhorias no design é que os motores e geradores estão localizados acima da linha d'água, o que elimina uma grande quantidade de ruído, proporcionando melhor discrição acústica quando navegando em alto mar. Este é outro aspecto da transferência de tecnologia que não tem precedentes no México.

Táticas e Ponte

Foto, García

Ao chegar ao passadiço, concordamos em respeitar as convenções internacionais, só podemos ver o centro de comando e controle,nada de fotos ou vídeos. A sala é em si um retângulo escuro, com poucos adornos, exceto dois relógios analógicos muito náuticos com acabamentos em madeira; além disso, tudo é tecnologia de ponta, com paredes e tetos negros em contraste com telas e consoles sofisticados onde predominam a cor branca. Esse aparato confirma que o Reformador inaugurou uma nova era tecnológica para o México.

A reportagem troca palavras com um fuzileiro naval mexicano que transmite sua excitação por iniciar o uso da embarcação na prática "Uma coisa é integrar sistemas no porto e outra coisa é testá-los totalmente em seu ambiente natural. Por exemplo, o radar principal fornecido pela Thales não pode ser efetivamente testado no porto por causa das montanhas ao redor do estaleiro, precisamos navegar em mar aberto".

Visitamos a maioria dos compartimentos dos decks superiores: quartos para os militares, banheiros, chuveiros, sistemas de casas de banho, comunicações, cozinha, sala de bar e até mesmo os quartos das autoridades que vierem a bordo do Pola, pois nessas áreas a agitação (jogo do navio) é um pouco menor. A partir da ponte e seus corredores a vista é soberba, à nossa esquerda flutua uma patrulha Oaxaca e, na verdade, há um debate interessante entre os engenheiros sobre se o estilo americano do mastro da classe Oaxaca, e se é melhor do que a solução adotada no Reformador

O mastro está orgulhosamente acima de nossas cabeças, proteções e antenas foram removidoa e no interior da ponte estão os 3 principais consoles, com acabamentos em madeira, sistemas de comunicação e quase pronto para começar a navegar. O futuro comandante do Reformador, passará a maioria de seus turnos entre a ponte e a sala de operações, cuidando da vida das 122 almas que navegarão a bordo. Logo atrás da ponte testemunhamos a instalação de suportes para os futuros lançadores de mísseis Harpoon e um pouco atrás estão as contramedidas C-Guarda, mas ainda protegidos em suas caixas.

O futuro

 

Com a sua entrada em serviço prevista para acontecer em 2020, poucas pessoas parecem compreender esse momento, a principal coisa é deixar o navio totalmente seguro para a tripulação, capaz de navegar e lidar com os testes de mar para começar o treinamento e uso diário navio.

O primeiro grande teste que sua tripulação irá enfrentar, e isso mostra o comprometimento com a segurança, será um apagão completo do navio, pane que deverá ser resolvida contra o relógio.Foto García

É um pouco decepcionante ver o segmento especializado e a opinião pública darem um grau exagerado de atenção se o navio vai ou não deixar o porto com todos os mísseis inteligentes, antes de promover a ideia de continuar com um segundo navio, parece que não estão valorizando os benefícios alcançados do ponto de vista industrial, econômico e social.

Tecnicamente, essa conquista é equivalente a um construtor de aeronaves inaugurando uma linha de construção no país, uma meta que o México busca sem sucesso há pelo menos 15 anos.

A grande realização industrial da Marinha com o estaleiro Damen foi materializar um projeto inédito, bem como a transferência de tecnologia e o nascimento de uma nova geração de marinheiros. Honestamente, se o Reformador continuar navegando sem um tipo de míssil, que pode ser incluído mais tarde, esse ponto é completamente irrelevante.

É necessário sentir, cheirar e suar dentro de um Classe Pola para entender que neste projeto há coisas mais importantes e que grande parte do público mexicano não as leva em conta.

Voltamos pelo corredor principal até o hangar e a plataforma de desembarque, tomamos água e começamos a nos despedir de nossos guias, o sol é inclemente e vários trabalhadores se concentram nessa área para beber água. Infelizmente nosso tempo a bordo chegou ao fim, eu digo adeus, mas antes de me curvar para colocar a mão na superfície corrugada; como muitos ao longo dos séculos eu acredito que os navios têm uma espécie de alma, então aproveito esta oportunidade e dirijo algumas palavras ao Reformador: Obrigado, traga-nos sorte e progresso.

Fotos de cima para baixo: Diferentes aspectos do Reformador Corrente de popa para o sonar de arrasto Captas 2. Base e difusores para o míssil Harpoon. Sala de máquinas e corredores do Classe Pola. Vista da ponte para a proa. O capitão Loyo à direita, juntamente com o segundo oficial (Imediato) do Reformador.

 © Information & Design Solutions, S.L. Todos los derechos reservados. Este artículo no puede ser fotocopiado ni reproducido por cualquier otro medio sin licencia otorgada por la empresa editora. Queda prohibida la reproducción pública de este artículo, en todo o en parte, por cualquier medio, sin permiso expreso y por escrito de la empresa editora.

ENVÍO DE LA NOTICIA A UN AMIGO
Correo electrónico
Tu nombre
Mensaje