menú responsive
AMÉRICA | Armada
-/5 | 0 votos

Plano de atualização da frota

Embraer recebe o último AF-1/1A da Marinha do Brasil para modernização

Entrega da aeronave AF-1 N-1004 para modernização na Embraer

Entrega da aeronave AF-1 N-1004 para modernização na Embraer

16/04/2019 | Belo Horizonte, MG

Roberto Caiafa

Recentemente, a Aviação Naval da Marinha do Brasil "entregou" a aeronave AF-1 N-1004 nas instalações da Embraer em Gavião Peixoto-SP  para ser submetida ao processo de modernização. Esse monoposto é a última unidade a dar entrada na Embraer, com previsão de entrega para a Marinha em novembro de 2020.

O A-4K Skyhawk N-1004, em plena capacidade de voo, foi entregue pelo 1° Esquadrão de Aeronaves de Interceptação e Ataque, com apoio de outro jato AF-1,  aeronave N-1008, que participou do traslado a partir da Base Aeronaval de São Pedro da Aldeia.

Dessa forma, o Esquadrão VF-1 contará com seis aeronaves modernizadas, sendo quatro monoposto e dois bipostos. 

Durante os trabalhos em Gavião Peixoto, os aviões recebem um sistema aviônico digital moderno, capacidade HOTAS (“Hands on Thtottle and Stick”), radar multi-modo e sistemas defensivos como o "Radar Warning Receiver", equipamento que é integrado com as contramedidas de chaff (tiras metálicas) e flares (pirotécnicos).

Segundo a Marinha, as novas aeronaves modernizadas propiciam uma consciência situacional e uma familiaridade com a operação dos sistemas de uma aeronave de combate moderna, critérios imprescindíveis e relevantes para um cenário de combate atual.

As dúvidas

 

Essa é uma modernização que dispara o mesmo limitadíssimo armamento anterior, canhões de 20 mm, foguetes de 70 mm e bombas "burras" da família MK (82, 83 e 84).

Os mísseis ar-ar WVR Sidewinder AIM-9L/P recebidos junto com os aviões já excederam seus prazos de validade ou foram disparados nas campanhas de tiro real havidas em anos recentes.

Os mísseis em arsenal, ou prestes a serem entregues, do tipo MAA-1B Piranha, A-Darter ou Iris-T não podem ser lançados pela aeronave. (Ademais, são mísseis da Força Aérea)

O avião não pode lançar mísseis antinavio, apesar de possuir um radar multimodo capaz de fornecer dados de disparo.

Esse sensor perde suas vantagens táticas e a consciência situacional que entrega na medida em que os aviões seriam forçados a sobrevoar navios inimigos para ataca-los com bombas "burras" em perigosas passagens rasantes tomando tiro de mísseis, metralhadoras e canhões navais.

Isso não foi muito eficaz em 1982 nas Falklands, para falar de um conflito ícone, onde foi usada exatamente esse mesmo tipo de aeronave, e certamente, não o seria na atualidade.

De fato, hoje, seria suicídio atacar navios inimigos armados com defesas missilísticas no estado da arte.

Fica claro o objetivo da Marinha com os AF-1modernizados, manter sua aviação de asas fixas, formar uma massa crítica de pilotos operacionais, continuar os intercâmbios com a Força Aérea e aguardar por "dias melhores", quando então poderá vender ou aposentar seus vetustos (e modernizados) Falcões do Céu e realizar a transição para um novo avião.

Imagens: Roberto Caiafa / Marinha do Brasil

 © Information & Design Solutions, S.L. Todos los derechos reservados. Este artículo no puede ser fotocopiado ni reproducido por cualquier otro medio sin licencia otorgada por la empresa editora. Queda prohibida la reproducción pública de este artículo, en todo o en parte, por cualquier medio, sin permiso expreso y por escrito de la empresa editora.

ENVÍO DE LA NOTICIA A UN AMIGO
Correo electrónico
Tu nombre
Mensaje