menú responsive
AMÉRICA | Aire
-/5 | 0 votos

Centro Espacial ITA é inaugurado em São José dos Campos (SP)

SIATT e Força Aérea buscam desenvolver míssil ar-solo brasileiro

Autoridades e integrantes do CEI reunidos em São José dos Campos (ITA)

Autoridades e integrantes do CEI reunidos em São José dos Campos (ITA)

05/02/2020 | Belo Horizonte

Roberto Caiafa

Durante a cerimônia de inauguração do Centro Espacial ITA (CEI), realizada em São José dos Campos (SP) no último dia 28 de janeiro, foi revelada a existência de uma parceria entre o Laboratório de Simulação de Sistemas Aeroespaciais (LSSA) da instituição e a empresa brasileira SIATT para o desenvolvimento de um míssil ar-solo brasileiro.

Segundo o engenheiro e professor Carlos Alberto Carvalho, Diretor da SIATT “O CEI é responsável pela capacitação de recursos humanos, bem como pela pesquisa e desenvolvimento no setor espacial no âmbito do Ministério da Defesa, e a infraestrutura disponível viabiliza as simulações de produtos desenvolvidos na SIATT, já que o custo para criar um local como esse, na empresa, é inviável”, explicou Carvalho.

Tido como um marco da Força Aérea Brasileira no que tange sobre a execução do Programa Estratégico de Sistemas Espaciais (PESE), o CEI possui um papel importante na concepção das futuras constelações do PESE, como o Carponis (satélite óptico) e o Lessonia (satélite radar).

O apoio tecnológico do CEI no desenvolvimento de mísseis explica-se pela presença do professor Carlos Alberto Carvalho.

Considerado uma das maiores autoridades de sistemas missilisticos em atividade no mercado, o criador do Míssil Anti-Radiação MAR-1 deixou claro em abril de 2019 que retornaria em um futuro breve aos problemas tecnológicos que ditaram o cancelamento do programa do míssil anti-radar ao final de 2018, por entender a importância estratégica para o Brasil desse tipo de arma dissuassória.

Portanto, a parceria do CEI com a SIATT no desenvolvimento de um míssil ar-solo tanto pode ser a volta do programa MAR-1 (específico para a destruição de radares inimigos) como a busca por um artefato dotado com cabeça de busca multimissão, capaz de engajar e destruir fortificações, casamatas, veículos blindados e carros de combate, dentre outros tipos de alvos.

A Força Aérea Brasileira, de qualquer maneira, não possui hoje, em seu arsenal, os dois tipos de mísseis.

Para missões SEAD (atacar e destruir as defesas antiaéreas do inimigo) a FAB depende hoje de bombas guiadas israelenses da Rafael, com alguma capacidade stand-off, ou bombas de fragmentação/cacho fabricadas pela Avibras.

Para missões como apoio de fogo e interdição do campo de batalha, existem as bombas burras de emprego geral e foguetes de 70 mm da Avibras, um compromisso bastante defasado, pois exigem o sobrevoo da região do alvo.

Um míssil multimissão guiado resolveria esse problema, já que normalmente pode ser disparado fora do alcance das defesas antiaéreas inimigas.

Adicionalmente, a FAB adquiriria uma inédita capacidade anti-carro usando mísseis guiados com alcance entre 3 km a 5 km.

Inauguração do CEI

 

A cerimônia foi presidida pelo então Diretor-Geral do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), Tenente-Brigadeiro do Ar Luiz Fernando de Aguiar, e contou com a participação de representantes do Ministério da Defesa (MD), do Ministério da Educação (MEC), do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), de Indústrias de Sistemas Espaciais e de Chefes e Diretores dos Institutos do DCTA.

O Reitor do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), Professor Doutor Anderson Ribeiro Correia, agradeceu o apoio da Força Aérea Brasileira (FAB) para a implementação do Centro, bem como a colaboração do MD, MEC e MCTIC para a conclusão desse importante projeto para o Brasil.

O Chefe do CEI, Major Aviador Pedro Kukulka de Albuquerque, ressaltou os sete anos de desenvolvimento do projeto do Centro, que ocorreram por meio de diversas atividades que envolveram o ITA e a FAB. “O CEI tem como objetivo diminuir a dependência internacional e valorizar os recursos internos do Brasil na área espacial, buscando soluções melhores, mais rápidas e acessíveis para os 22 milhões de quilômetros sob a responsabilidade da FAB”, comentou o Major Pedro.

Segundo o chefe do Departamento de Sistemas Espaciais do ITA, Professor Doutor Luis Eduardo Vergueiro Loures da Costa, "o fator humano é de grande relevância no CEI, para o andamento de importantes projetos, como o SPORT, satélite científico que está sendo desenvolvido em parceria com a NASA", ressaltou. Alguns laboratórios apoiarão as atividades de concepção e desenvolvimento de sistemas espaciais.

A Sala Integrada de Gestão de Projeto (SIGP) foi estruturada para suportar e ensinar o processo colaborativo da Engenharia Simultânea; e o Laboratório de Simulação de Sistemas Aeroespaciais (LSSA) foi estruturado para suportar e ensinar a simulação distribuída e multi-domínio de cenários de conceitos de operação.

Por fim, o Laboratório de Testes de Sistemas Aeroespaciais (LTSA) foi estruturado para suportar e ensinar o desenvolvimento das engenharias das especialidades.

Nesse laboratório, foi apresentado o conceito de FlatSat do projeto SPORT, sendo possível ver todos os sistemas do satélite operando, para a verificação das funções pretendidas.

Nos próximos anos, o ITA pretende aumentar a inserção internacional e o vínculo com o setor produtivo. Os estudos desenvolvidos no CEI serão potencializados pelo Programa Institucional de Internacionalização (PrInt).

O Instituto Tecnológico da Aeronáutica é uma das 36 instituições participantes do programa e vai oferecer um doutorado internacional para formar novos pesquisadores.

Entre as suas parcerias estão a Nasa e a Universidade do Alabama, nos Estados Unidos.

Imagens: CEI/ITA/FAB/Roberto Caiafa

 

 

 © Information & Design Solutions, S.L. Todos los derechos reservados. Este artículo no puede ser fotocopiado ni reproducido por cualquier otro medio sin licencia otorgada por la empresa editora. Queda prohibida la reproducción pública de este artículo, en todo o en parte, por cualquier medio, sin permiso expreso y por escrito de la empresa editora.

ENVÍO DE LA NOTICIA A UN AMIGO
Correo electrónico
Tu nombre
Mensaje