menú responsive
AMÉRICA | Tierra
-/5 | 0 votos

Cyber Guardian 3.0, de 5 a 7 de outubro

350 pessoas de 58 organizações públicas e privadas do Brasil são treinadas em proteção cibernética

coronelluizclaudiocunhacomandodefesaciberntica

09/08/2021 | Belo Horizonte

Roberto Valadares Caiafa

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), a Cisco e a RustCon apoiarão o treinamento de segurança cibernética para 350 pessoas de 58 organizações públicas e privadas.

O exercício Guardião Cibernético 3.0 é coordenado pelo Comando de Defesa Cibernética (ComDCiber) e está no calendário do Ministério da Defesa como parte da estratégia de segurança nacional do país.

Liderando a atividade, marcada para 5-7 de outubro, o Coronel Luiz Cláudio de Souza Cunha (Chefe de Estado-Maior Adjunto do Comando de Defesa Cibernética e Coordenador Executivo do Cyber Guardian Exercise (EGC) 3.0) diz que os ataques de rasonware - um vírus que impede o acesso às informações armazenadas, exigindo que a vítima pague aos cibercriminosos para recuperá-las - aumentaram em mais de 350%. 

Proteção cibernética

 

"Não há indústria que não tenha sido atingida por este tipo de ataque. A questão não é se, mas quando você vai sofrer um ataque. Você tem que estar preparado, não para o futuro, mas para agora", adverte o coronel.

Ele explica que o Cyber Guardian é um exercício simulado de atividades práticas de ciberproteção, com a participação de líderes e especialistas em TI. Um cenário personalizado e hiper-realista é criado em uma plataforma virtual onde os ataques são realizados. Os participantes devem tomar decisões em tempo real para defender as infra-estruturas críticas instaladas no cenário.

As infra-estruturas críticas são bens e serviços essenciais para a economia e afetam áreas como água, energia, comunicações, finanças, transporte e energia nuclear. São estes setores, que estão cada vez mais sob ataque, que participarão do terceiro exercício promovido pelo Comando.

Iniciativas como o exercício Guardião Cibernético 3.0 proporcionam à sociedade brasileira uma sinergia interessante nesta área envolvendo a cibernética.

O exercício reúne o governo (Ministério da Defesa e GSI), o setor privado (58 organizações de seis infra-estruturas críticas) e a academia (participação da Universidade de São Paulo - USP no setor nuclear).

Este é o maior exercício de defesa cibernética do hemisfério sul. 

Com simulações virtuais e construtivas, as 58 organizações têm a oportunidade de treinar suas equipes técnicas e estratégicas nos últimos tópicos em um cenário fictício, mas extremamente realista. Além disso, várias soluções para infra-estruturas críticas, como o desenvolvimento de normas e legislação, são discutidas e apresentadas nos grupos de estudo.

No âmbito do exercício, também são realizadas palestras de conscientização denominadas "higiene cibernética", tanto no setor de defesa quanto em outros setores.

Em resumo, o CGS é uma atividade complexa, organizacional e com grande intensidade de mão-de-obra. Algo novo é implementado a cada ano.

Até 2022, além do centro remoto em São Paulo, haverá um centro no Rio de Janeiro.

A intenção da ComDCiber é oferecer esta oportunidade a mais participantes, com o objetivo principal de cooperar e colaborar com a efetiva resiliência cibernética no Brasil.

Imagens: CComSEx/Exército Brasileiro

 © Information & Design Solutions, S.L. Todos los derechos reservados. Este artículo no puede ser fotocopiado ni reproducido por cualquier otro medio sin licencia otorgada por la empresa editora. Queda prohibida la reproducción pública de este artículo, en todo o en parte, por cualquier medio, sin permiso expreso y por escrito de la empresa editora.

ENVÍO DE LA NOTICIA A UN AMIGO
Correo electrónico
Tu nombre
Mensaje