EDICIÓN
| INFODRON | INFOESPACIAL | MUNDOMILITAR | TV

radiation

Brasil é treinado em procedimentos de defesa nuclear, biológica, química e radiológica

O Ministério da Defesa do Brasil organizou e promoveu um adestramento conjunto de táticas, técnicas e procedimentos de Defesa Nuclear, Biológica, Química e Radiológica (NBQR) entre Marinha do Brasil, Exército Brasileiro e Força Aérea Brasileira, conduzido nas instalações do 1º Batalhão de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear do Exército Brasileiro, localizado em Realengo (RJ). O adestramento conjunto contou com militares de diversas organizações militares vocacionadas para a tarefa.A Marinha do Brasil, como Força responsável pelo Programa Nuclear Militar do Estado Brasileiro, participou com o Centro de Defesa Nuclear, Biológica, Química e Radiológica, o Batalhão de Defesa Nuclear, Biológica, Química e Radiológica e o Batalhão de Blindados de Fuzileiros Navais.O Exército Brasileiro participou com o 1° Batalhão de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear e a Escola de Instrução Especializada. A Força Aérea Brasileira participou com o Instituto de Medicina Aeroespacial.Na primeira semana de treinamentos, as unidades participantes apresentaram suas capacidades e limitações NBQR, bem como desenvolveram soluções a problemas simulados que visavam estabelecer as melhores ações de cada Força frente a uma ameaça NBQR. Durante a segunda semana, foram realizadas atividades práticas em campo, culminado em uma Demostração Operativa.Na ocasião, coube ao Grupo de Reconhecimento do Batalhão de Defesa Nuclear, Biológica, Química e Radiológica, embarcado em uma viatura MOWAG Piranha IIIC, que possui filtros e outros equipamentos apropriados para operação em ambiente contaminado, realizar as atividades de reconhecimento, identificação e coleta de amostras em um laboratório clandestino fictício, localizado no Campo de Instrução de Gericinó (RJ).Esse massivo treinamento NBQR faz parte de uma série de adestramentos voltados para o nivelamento e a padronização de procedimento, assim como divulgação e assimilação de boas práticas e lições aprendidas entre as Forças Armadas, viabilizando e aprimorando o emprego conjunto e a interoperabilidade.