Francisco Baron, diretor comercial do Navantia: "Queremos o máximo de participação na indústria brasileira"
EDICIÓN
| INFODRON | INFOESPACIAL | MUNDOMILITAR | TV
importedlatam|Argentina|Armada|Po >

Francisco Baron, diretor comercial do Navantia: "Queremos o máximo de participação na indústria brasileira"

AOR Cantabria Navantia
|

(Infodefensa.com) A. V. Suarez, Madrid - O estaleiro espanhol Navantia participa no programa PROSUPER da Marinha do Brasil para a aquisição  cinco navios Escort, cinco OPV e LSV. Desde a apresentação da oferta em abril, Navantia tem demonstrado o seu forte compromisso com a experiência ea capacidade de a indústria local. Francisco Baron, diretor comercial do Navantia, manifesta claramente a intenção de "introduzir o máximo de participação da indústria brasileira no programa brasileiro", que inclui a transferência tecnolología, offset e planos de nacionalização apresentado durante o Industry Day no Rio de Janeiro.

Qual é o objetivo principal desta reunião?

O objetivo principal é entrar em contato com a indústria naval brasileira que tem o potencial para se tornar parte do projeto PROSUPER e transmitir a mensagem que queremos introduzir o máximo de participação da indústria brasileira no programa. Isto, por um lado, representa uma boa oportunidade de negócio para a indústria brasileira, que poderá assim tomar parte de nossa cadeia de fornecimento de apoio à Marinha do Brasil durante o ciclo de vida dos navios, oferecendo um grande serviço ao país, e por outro lado, permitirá ampliar a perspectiva do negócio por 30 anos. Podemos classificar a indústria em três grupos dependendo da sua atividade:

Estaleiros: Responsável para a construção e entrega dos navios.

Negócio Eletrônico: Responsável pelo co-desenvolvimento dos vários sistemas de combate a bordo.

Fornecedores de equipamentos / materiais: Responsáveis por fornecer qualquer material / equipamentos para os navios.

Todos os grupos são um objetivo claro de Navantia, que reconhece a importância da participação da indústria brasileira e, portanto, deseja ter uma postura pró-ativa em ajudar a definir a participação da indústria local.

Quais são as características distintivas NAVANTIA oferecidas na proposta para o PROSUPER?

É difícil responder sem saber bem o conteúdo das outras alternativas, mas entendemos que Navantia tem muitas vantagens: Navios apresentados estão amplamente comprovados, constituindo-se assim em uma solução de risco mínimo. Não devemos esquecer que o objetivo fundamental é proporcionar a Marinha do Brasil as melhores embarcações para as missões definidas no Programa PROSUPER. Para as fragatas, apresentamos uma solução em parceria com a Lockheed Martin (LM), que é, sem dúvida, a que dá maior capacidade do mundo em termos de guerra anti-aérea, uma das principais missões desta classe de navios de combate. Isto é um fator que diferencia positivamente as marinhas que já contam com este sistema (EUA, Japão, Coréia, Austrália, Noruega e Espanha).

Navantia, há 30 anos, importava tecnologia e hoje realiza exportações de tecnologia (Índia, Austrália, Venezuela, Noruega). É, portanto, a melhor posição para colaborar com o Brasil. E para a indústria brasileira, é uma chance de obter em poucos anos uma posição de ponta no setor militar naval. Navantia é uma empresa pública, tem o apoio total do governo espanhol e oferece não apenas conforto e compromisso, mas uma grande experiência junto da Armada Espanhola na gestão de programas complexos, habilidades que serão úteis para o Brasil.

O que a associação Navantia e Lockheed Martin pode oferecer ao PROSUPER?

Navantia e LM vêm trabalhando juntos há mais de 20 anos, conquistando sucesso em programas navais para Noruega, Austrália e Espanha. Basicamente, LM provê a entrega do Sistema AEGIS, tido como o melhor do mundo na sua classe (defesa antiaérea de navios no mar). Além disso, LM e Navantia oferecem oportunidades para que a indústria eletrônica brasileira participe no desenvolvimento do sistema de combate dos navios e de outros diferentes sistemas eletrônicos.

Navantia tem uma experiência muito boa neste campo e reconhecemos que, com LM cresceu nossa capacidade em tecnologia de sistemas de combate, uma habilidade que, sem dúvida, passaremos para a indústria brasileira, especificamente, na adaptação do sistema brasileiro de comando e controle SICONTA, atualmente instalado em diversos navios da Marinha brasileira.

Além disso, Navantia fornece toda a tecnologia para viabilizar a construção das plataformas em estaleiros no Brasil. Em última instância, LM / Navantia é uma parceria muito equilibrada e que agrega competências complementares que podem contribuir significativamente não só para o Brasil tem a melhor fragata, mas para o Brasil crescer tecnologicamente e ter a capacidade de prover todo o apoio necessário para a operação dos navios durante o seu ciclo de vida.

Navantia já começou contatos com empresas brasileiras? Que tipos de fornecedores vocês estão mais interessados, somente as grandes empresas?

Desde o início temos entendido o papel importante que a indústria local deverá desempenhar no programa. Com essa perspectiva, nós temos contatado estaleiros e empresas de referência em eletrônicos do Brasil que possam participar no desenvolvimento de sistemas associados para os navios. Fizemos progressos com ambos os setores. Em uma segunda etapa, nós expandiremos a gama de fornecedores para aqueles que fornecem equipamentos / materiais / sistemas para a indústria naval.

Estas empresas estão confiantes de que podem participar sem comprometer a qualidade e competitividade, fatores que devem beneficiar os integrantes do programa e a Marinha do Brasil. Navantia também agirá como um catalisador entre os principais fornecedores internacionais, a fim de chegar a acordos com a indústria brasileira e co-produzidir no Brasil com a indústria local. O Dia da Indústria é um evento muito importante para transmitir esta mensagem, e, especialmente, para explicar o potencial da nossa proposta para o PROSUPER. Antes deste evento, nós nos voltamos para a grande família brasileira na arena naval a fim de estabelecer contato e iniciar o processo de familiarização mutua. Pretendemos incluí-los em nossa cadeia de suprimentos que vai além do PROSUPER, passando também por outros programas internacionais. Este momento não é oportuno para fornecer nomes específicos, considerando o inconveniente que isso possa causar as indústrias mencionadas.

Qual será o plano de transferência de tecnologia?

O plano para a transferência de tecnologia (ToT), na terminologia da Marinha do Brasil, é basicamente dirigido tanto a manutenção quanto a modernização de navios em toda a sua vida útil. Dito assim parece simples, mas tudo isso tem uma enorme quantidade de informação, formação e acesso à tecnologia que tem grande importância. Para a Marinha isso implica ser capaz de redesenhar todos os navios para adicionar upgrades e novos sensores e equipamentos.

Além disso, o nosso projecto implica uma ToT industrial de estaleiros como empresas de sistema de combate. Ambos os setores recebem a documentação, o treinamento, e a metodologia de processos para construir uma série de navios muito sofisticados. Com nosso projeto de transferência de tecnologia integrada, o Brasil passará a ser um país de ponta na construção naval militar. Já para as empresas de produtos eletrônicos, um grande avanço tecnológico no co-desenvolvimento de sistemas de comando e controle e outros sistemas de grande complexidade resultará numa excelente projeção para o seu negócio.

Conte-nos sobre os tipos de embarcações oferecidas à Marinha do Brasil.

Os tipos de navios oferecidos são baseados em navios testados operacionalmente, e pensados para atender às necessidades específicas do requerimento da Marinha do Brasil. As Fragatas AEGIS, construídas em associação com a LM, temos 9 unidades construídas, 5 para a Noruega e 4 para a Espanha. Já a Austrália está construindo atualmente no país três fragatas F-100 iguais aos navios da Armada Espanhola. Esta é uma grande referência e garantia para o programa PROSUPER.

Apresentamos também um navio logístico, operacional na marinha espanhola, e um navio de patrulha oceânica do mesmo modelo utilizado pela Venezuela. Os navios apresentam excelente navegabilidade e eficácia dos sistemas de missões atribuídas, e têm a facilidade adicional de que toda a documentação relacionada com a construção está disponível, uma enorme vantagem para os construtores locais, dado o volume de trabalho e a resultante economia de esforço de engenharia de produção, testes, procedimentos, documentação de qualidade, etc, tarefas que envolvem grande número de horas de trabalho. Este é um fator de economia para o programa e uma garantia para os participantes locais. Em resumo, oferecemos uma solução comprovada em operações de navios construídos por nós e tudo o que isso implica.

Lea la noticia en español.



Recomendamos