AMÉRICA | Aire
-/5 | 0 votos

0

0

0

0

R$ 1,4 milhão

Comando da Aeronáutica assinou com Denel o contrato para a construção do míssil de 5ª geração A-Darter

17/12/2012

(Infodefensa.com) Sao Paulo - O Comando da Aeronáutica assinou com a empresa Denel do Brasil contrato de R$ 1,4 milhão visando preparar o parque industrial de São José dos Campos (SP) para a construção do míssil que deverá equipar a versão modernizada do caça A-1 e o futuro F-X2. A partir de 2015, a Força Aérea Brasileira receberá o A-Darter, artefato guiado capaz de manobrar até 10 vezes mais rápido que um avião de combate.

A nova tecnologia, fruto de um desenvolvimento conjunto do Brasil com a África do Sul, já está no final da fase de testes e próxima do início da produção em larga escala, que no Brasil deverá contar com as empresas Mectron, Avibras e Opto Eletrônica, beneficiárias dos projetos de transferência de tecnologia em áreas como sistemas óticos, navegação, sensores e processamento de imagens. O governo brasileiro ingressou no desenvolvimento do A-Darter em 2006, sendo co-proprietário dos direitos de propriedade intelectual e industrial do míssil.

De acordo com o gerente técnico da Denel do Brasil, Everton de Paula, além de fabricar todos os mísseis que a FAB vier a adquirir futuramente, o parque industrial brasileiro também irá fabricar componentes de unidades que venham a ser exportadas para outros países "Este contrato representa mais uma passo no sentido da concretização da transferência de tecnologia. Ainda estávamos na terceira geração e demos um salto para mísseis de quinta geração", afirmou.

Com 2,98 metros de comprimento e 90 kg de peso, o A-Darter é um míssil ar-ar com um sensor que detecta o calor de aviões e helicópteros e apresenta capacidade off-boresight (pode atingir aeronaves posicionadas a mais de 90º do vetor de lançamento, incluindo derrubada de inimigos as seis horas - pode ser disparado para trás).

Outra tecnologia inédita no Brasil é o empuxo vetorado, que é o direcionamento do jato do motor foguete. Somado ao movimento das quatro pequenas “asas”, este recurso confere ao míssil a possibilidade de fazer manobras que alcançam até 100 vezes a força da gravidade (100G), enquanto os aviões de combate não passam de 9 vezes (9G). O míssil também produz menos fumaça que modelos mais antigos, o que dificulta a sua visualização.

 © Information & Design Solutions, S.L. Todos los derechos reservados. Este artículo no puede ser fotocopiado ni reproducido por cualquier otro medio sin licencia otorgada por la empresa editora. Queda prohibida la reproducción pública de este artículo, en todo o en parte, por cualquier medio, sin permiso expreso y por escrito de la empresa editora.

SÍGUENOS EN

ENVÍO DE LA NOTICIA A UN AMIGO
Correo electrónico
Tu nombre
Mensaje