menú responsive
AMÉRICA | Armada
-/5 | 0 votos

Brasil renova seu poderio militar naval no Atlântico Sul

Porta-Helicópteros Multipropósito (PHM) A-140 Atlântico é incorporado

O PHM A-140 Atlântico retoma a capacidade expedicionária de assalto anfíbio do Corpo de Fuzileiros Navais.

O PHM A-140 Atlântico retoma a capacidade expedicionária de assalto anfíbio do Corpo de Fuzileiros Navais.

10/07/2018 | Belo Horizonte

Roberto Caiafa

Vídeo do PHM A-140 Atlântico 

Evento realizado na Real Base Naval de Devonport, em Plymouth, Reino Unido, no dia 29 de junho, marcou a Mostra de Armamento do Porta-Helicópteros Multipropósito (PHM) A-140 Atlântico (Ex-HMS Ocean), uma cerimônia de tradições navais que indica o início da vida operacional do navio na Marinha do Brasil.

A cerimônia foi presidida pelo chefe do Estado-Maior da Armada brasileira, almirante de Esquadra Ilques Barbosa Junior, e contou com a presença do embaixador do Brasil junto ao Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, Eduardo dos Santos, e o comandante da Esquadra da Marinha do Reino Unido, vice-almirante Ben Key.

O PHM A-140 Atlântico somará à Marinha do Brasil importantes capacidades anfíbias e de operações navais com helicópteros embarcados para a manutenção da segurança do Atlântico Sul e a defesa dos interesses marítimos do País em qualquer parte do planeta.

Na ocasião, foi realizada também a assunção do comando do navio pelo capitão de Mar e Guerra Giovani Corrêa.

A chegada do PHM Atlântico ao Brasil está prevista para o final de agosto, em data próxima ao aniversário da Aviação Naval.

No histórico de serviço do navio com a RN constam operações navais em apoio a ações humanitárias, em 2017, nas ilhas do Caribe, afetadas pelo Furacão Irma.

O nome Atlântico, adotado pela Marinha do Brasil, remete a saga das grandes navegações, que proporcionaram, entre outros notáveis feitos da Escola de Sagres, o descobrimento do Brasil.

Capacidade Expedicionária

O navio foi projetado para operar com até sete aeronaves em seu convoo e 12 no hangar, e pode transportar Grupamentos Operativos de 500 a 800 Fuzileiros Navais e projetá-los por movimentos helitransportados, ou por superfície, empregando suas quatro lanchas de desembarque, a partir de uma distância de até 200 milhas da costa (cerca de 321 km).

Possui, ainda, diversas salas de planejamento para uso de Estado-Maior. Esses ambientes estão sendo reequipadas e adequados apara a realidade e interfaces da Marinha do Brasil.

Em combate, o navio é dotado de um Sistema de Comando e Controle LPH CMS, trabalhando junto a quatro canhões de 30 mm DS30M Mk2, dois Radares 1007, um Radar 1008 e um sensor principal, o moderníssimo Radar Artisan 3D 997, com elevada capacidade de detecção e acompanhamento de alvos aéreos e de superfície.

Durante o mês de junho o navio e sua tripulação passarão por um intenso programa de treinamentos no porto e no mar, sendo avaliados pelo reconhecido e rigoroso Centro de Instrução da Marinha do Reino Unido (Flag Officer Sea Training ou FOST).

Imagens: Marinha do Brasil / Embaixada do Brasil no Reino Unido.

 

 © Information & Design Solutions, S.L. Todos los derechos reservados. Este artículo no puede ser fotocopiado ni reproducido por cualquier otro medio sin licencia otorgada por la empresa editora. Queda prohibida la reproducción pública de este artículo, en todo o en parte, por cualquier medio, sin permiso expreso y por escrito de la empresa editora.

SÍGUENOS EN

APPS

ENVÍO DE LA NOTICIA A UN AMIGO
Correo electrónico
Tu nombre
Mensaje