A expectativas da Embraer com relação às vendas do novo avião KC-390 gira entre 140 e 210 unidades
EDICIÓN
| INFODRON | INFOESPACIAL | MUNDOMILITAR | TV
Brasil (Portugués) >

A expectativas da Embraer com relação às vendas do novo avião KC-390 gira entre 140 e 210 unidades

111326 brasil embraer 01 400x272
|

(Infodefensa.com) São Paulo – Segundo Frederico Fleury Curado, presidente da Embraer, a expectativas da empresa com relação às vendas do novo avião de transporte e de reabastecimento ar-ar KC-390 gira entre 140 e 210 unidades. A declaração foi feita durante a apresentação dos resultados alcançados pela empresa no terceiro trimestre de 2013. Com dimensões situadas entre as do Lockheed Martin C-130J Super Hercules e do Airbus Military A400M, o emergente modelo KC-390 da Embraer Defesa e Segurança (EDS) será propulsado por dois reatores turbofan Aero Engines V2500 e esta sendo construído para disputar um mercado global endereçável de 700 unidades, quantidade estimada por um criterioso estudo desenvolvido pela Embraer um pouco antes de lançar o projeto em 2009. Curado assinalou que a Embraer necessita de uma fatia entre 20 e 30% desse mercado para que o programa seja considerado bem sucedido. Embora tenha sido projetado para executar várias missões, incluindo transporte de carga, reabastecimento aéreo e evacuação médica, a Embraer está ciente de que terá o C-130J como um concorrente difícil. Além da experiência da Lockheed Martin e das facilidades do Foreign Military Sales (FMS) oferecido pelo governo dos Estados Unidos, a influência daquele país em alguns mercados de equipamentos de defesa torna-os pouco acessíveis para o KC-390. Um acordo foi assinado recentemente com a Boeing justamente para lançar o KC-390 em mercados normalmente fechados para a indústria aeronáutica brasileira. A EDS já assegurou entendimentos com seis países para vender 60 KC-390, incluindo 28 aviões para a Força Aérea Brasileira (FAB). O cronograma prevê que o primeiro voo do protótipo aconteça no final de 2014 e o exemplar de serie inaugural seja entregue em 2016.

Panorama do 3º trimestre

O mercado de Defesa e Segurança continua a apresentar para a EDS um cenário favorável para o crescimento, com uma série de campanhas em curso para várias aplicações, incluindo o transporte de autoridades, treinamento e ataque leve, sistemas de inteligência, vigilância e reconhecimento, modernização de aeronaves, transporte militar, sistemas de comando e controle, e serviços. A Embraer lidera projetos importantes no Brasil, tais como o desenvolvimento do jato de transporte militar tático KC-390 e o Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (SISFRON).

Após modernizar 46 aviões de combate F-5E/F para a Força Aérea Brasileira, a Embraer Defesa e Segurança trabalha no lote de 11 exemplares comprados da Jordânia. O turboélice de treinamento avançado e ataque leve A-29 Super Tucano vem logrando êxito na carteira de exportações da Embraer Defesa e Segurança, tendo vencido a concorrência Light Air Support no difícil mercado de defesa dos Estados Unidos. No início do terceiro trimestre, destaca-se a participação do avião turboélice de ataque leve e treinamento avançado A-29 Super Tucano no evento EAA Air Venture que aconteceu em Oshkosh, Wisconsin, nos Estados Unidos. Em setembro, a Embraer Defesa & Segurança participou da convenção da Air Force Association, em Washington, EUA, quando foram anunciados avanços ligados à planta de Jacksonville, onde serão montados os aviões Super Tucano encomendados pela Força Aérea dos Estados Unidos, como a contratação de 39 empregados altamente qualificados, incluindo a liderança local e funcionários da produção. Até o momento, a Companhia contratou o total de 1.369 empregados localizados em 23 estados dos Estados Unidos, O processo de implantação da fábrica segue de acordo com o cronograma original, com as primeiras entregas previstas para meados de 2014.Com relação aos programas de modernização de aeronaves, a Embraer Defesa & Segurança realizou, em setembro, a cerimônia de entrega do primeiro caça A-1 modernizado (A-1M) para a FAB na sua planta industrial, em Gavião Peixoto (SP). O programa A-1M prevê a revitalização e modernização de 43 jatos subsônicos AMX, 20 dos quais já se encontram nas instalações da Empresa. Em agosto foi realizado o primeiro voo de uma aeronave AF-1M em evento que contou com a presença do Comandante da Marinha, além de outros oficiais do Alto Comando da Marinha. O programa de modernização de 12 caças AF-1 (A-4 Skyhawk) da Marinha do Brasil continua sua execução conforme previsto.

Em setembro, a Embraer adquiriu a totalidade das ações da Atech Negócios em Tecnologia S.A. como parte de sua estratégia de aquisições. Em abril de 2011, a Empresa já havia adquirido 50% das ações da Atech. A conclusão do negócio está sujeita ao cumprimento de determinadas condições usuais para esse tipo de transação. A Visiona Tecnologia Espacial S.A. – uma joint venture entre a Embraer S.A. e a Telecomunicações Brasileiras S.A. (Telebras) -, controlada pela Embraer, concluiu em julho o processo de seleção dos fornecedores do satélite e do lançador do projeto do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicação Estratégica (SGDC). A Visiona segue em negociações com a Telebrás sobre as condições do contrato de fornecimento do sistema SGDC. No início de outubro, durante a Mostra BID Brasil, na Base Aérea de Brasília, foi anunciada a mudança do nome da empresa Orbisat Indústria e Aerolevantamento S.A., que passa a se chamar Bradar Indústria S.A. Na mesma ocasião, foram anunciados contratos nas áreas de radares e sensoriamento remoto que totalizam R$ 51 milhões. A Bradar entregou mais 3 radares de vigilância à baixa altura Saber M60 para o Exército Brasileiro e assinou um contrato com a Companhia de Pesquisa e Recursos Minerais (CPRM) englobando o mapeamento cartográfico de 74 municípios brasileiros localizados em áreas de risco de enchentes e inundações, diversificando sua base de clientes. A Bradar também foi contratada pela Norte Energia S.A. para monitoramento da área da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará, estratégica para o reforço da capacidade instalada de geração de energia elétrica no Brasil.



Recomendamos