Brasil impulsiona o Programa Nuclear da Marinha com a nova usina do produção de hexafluoreto
EDICIÓN
| INFODRON | INFOESPACIAL | MUNDOMILITAR | TV
Armada (Portugués) >

Brasil impulsiona o Programa Nuclear da Marinha com a nova usina do produção de hexafluoreto

Ciana Brasil
|

(Infodefensa.com) R. Caiafa, Sao Paulo – O Programa Nuclear da Marinha ganhou impulso com a inauguração da Unidade Produtora de Hexafluoreto de Urânio (Usexa) e do Centro de Instrução e Adestramento Nuclear (Ciana), nas dependências do Centro Experimental Aramar (CEA), em Sorocaba (SP).

A cerimônia contou com as presenças do ministro de Ciência e Tecnologia e Inovação, Marco Antônio Raupp; do comandante da Marinha, almirante-de-esquadra Julio Soares Moura Neto, e do diretor-geral do Material da Marinha, almirante-de-esquadra Arthur Pires Ramos.

A inauguração da Usexa e do Ciana estabelece um marco para o Brasil no processo de enriquecimento de urânio, possibilitando a produção de combustível nuclear para as usinas de geração de energia. A Usexa é uma unidade piloto onde se obtém hexafluoreto de urânio nuclearmente puro, por meio da conversão do concentrado de urânio natural. Em síntese, produz-se a matéria prima para a etapa de enriquecimento de urânio, para produzir combustível nuclear para usinas como as de Angra (Angra I e Angra II).

A unidade está dimensionada para processar 40 toneladas de hexafluoreto de urânio e é uma das poucas instalações comissionadas recentemente no mundo. Os trabalhos técnicos e projetos de sistemas embasaram-se em estudos e pesquisas feitas no Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN) nos anos 1990, acrescendo-se instrumentação, materiais e dispositivos eletrônicos atualizados e engenharia para aumento de escala. O complexo apresenta um índice de nacionalização de cerca de 80%, gerando empregos de nível médio e superior, principalmente no estado de São Paulo.

Instrução e adestramento

O Ciana funciona como uma espécie de simulador destinado a capacitar alunos para a obtenção da licença de operação do Laboratório de Geração Núcleoelétrica (Labgene), uma planta nuclear projetada por brasileiros, que deve ser inaugurada em Aramar em 2014. O centro servirá para a formação de operadores do Labgene e das tripulações dos futuros submarinos nucleares brasileiros (SN-BR). A instrução será supervisionada pela Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), que aplicará provas teóricas e práticas aos alunos.

Deve-se ressaltar um pormenor, enquanto o mundo acompanha com enorme tensão os desdobramentos de programas de outras nações, a Marinha do Brasil e o governo brasileiro seguem na execução do seu programa nuclear com total transparência, cumprindo todas as normas internacionais que regem o controle deste tipo de material e permitindo assim, que o Brasil se torne membro de um seleto grupo de nações capazes de produzir combustível nuclear tanto para fins pacíficos quanto para alimentar os reatores nucleares dos futuros submarinos estratégicos responsáveis pela defesa da Amazônia Azul.



Recomendamos