menú responsive
AMÉRICA | Armada
-/5 | 0 votos

Os três AHTS foram adquiridos usados por R $ 82,8 milhões (US $ 24 milhões)

Navios de Apoio Oceânico Classe Mearim são incorporados à Marinha do Brasil

As três embarcações foram anteriormente utilizadas pela Petrobras em seus campos e foram vendidas por R $ 82,8 milhões (US $ 24 milhões).

As três embarcações foram anteriormente utilizadas pela Petrobras em seus campos e foram vendidas por R $ 82,8 milhões (US $ 24 milhões).

17/07/2018 | Belo Horizonte

Roberto Caiafa

Os Navios de Apoio Oceânico (NApOc) “Mearim”, “Iguatemi” e “Purus” foram batizados e participaram de Mostra de Armamento e Transferência para o Setor Operativo, no último dia 9 de julho, no Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro.

A cerimônia foi presidida pelo Chefe do Estado-Maior da Armada, Almirante de Esquadra Ilques Barbosa Junior.

O evento representou a incorporação do navio à Armada da Marinha do Brasil (MB) e, de acordo com a tradição naval, o batismo por uma madrinha traz sorte à embarcação.

 O processo de aquisição dos Navios de Apoio Oceânico classe “Mearim” teve início no final de 2016, por meio de reuniões entre o Comando de Operações Navais (ComOpNav), a Diretoria de Gestão de Programas (DGePM) e a Empresa Gerencial de Projetos Navais (EMGEPRON).

Inicialmente, a intenção era arrendar três rebocadores para a Marinha.

Após uma averiguação minuciosa no mercado, realizada pela EMGEPRON, para verificar quais navios do tipo Anchor Handling Tug Supply (AHTS) estariam disponíveis, verificou-se a existência de 147 embarcações, porém nenhuma delas atendia aos requisitos apresentados pelo Setor Operativo.

Em novo estudo realizado, foram alterados os requisitos de maneira a permitir a continuidade do processo.

Foi realizado um pregão eletrônico internacional para aquisição de três navios, sob a responsabilidade da EMGEPRON. A vencedora do certame foi a empresa norueguesa Deep Sea Shipowing, com os AHTS “Sea Stoat”, “Sea Vixen” e “Sea Fox”.

As embarcações foram anteriormente utilizadas pela Petrobras em seus campos e foram vendidas a um preço de R $ 82,8 milhões (US $ 24 milhões).

Construídos entre 2010 e 2011 na ABG Shipyards, na Índia, os AHTS têm 63 metros de comprimento e uma tração de amarração de aproximadamente 90 toneladas.

A Marinha do Brasil pretende usar os navios para serviços de busca e salvamento e reboque oceânico, mas eles também podem ser usados para o reabastecimento de navios no mar, e em tempos de guerra, cumprir missões de guerra de minas.

Cabe destacar que a obtenção dos Navios de Apoio Oceânico (NApOc) “Mearim”, “Iguatemi” e “Purus” foi decorrente de um inédito processo de compra por oportunidade para a Marinha do Brasil, realizada pela EMGEPRON.

 Os NApOc “Mearim”, “Iguatemi” e “Purus” estão aptos a desempenhar as seguintes tarefas: apoio logístico móvel, patrulha e inspeção naval, busca e salvamento – “Search and Rescue” (SAR) e minagem, nas áreas do Comando do 5º Distrito Naval (NApOc “Mearim”), Comando do 4º Distrito Naval (NApOc “Iguatemi”) e Comando do 1º Distrito Naval (NapOc “Purus”).

Os Navios possuem as seguintes características:

- Características:

 . Comprimento Total: 63,40 m

. Comprimento Entre Perpendiculares: 56,53 m

. Boca Moldada: 15,80 m

. Pontal: 6,80 m

. Deslocamento Carregado: 1.943 t

. Calado de Navegação: 5,5 m

 . Velocidade Máxima:13,5 nós

- Principais Equipamentos para Realização das Tarefas:

. 02 metralhadoras 12,7 mm (0,50 pol)

. 02 metralhadoras 7,62 mm

. Máquina de Reboque com Bollard Pull de aproximadamente 90 t

 O Navio de Apoio Oceânico (NApOc) “Mearim”G 150 é o primeiro navio da classe e o sexto a ostentar esse nome na Marinha do Brasil, em homenagem ao Rio Mearim que banha o estado do Maranhão.

O Navio de Apoio Oceânico (NApOc) “Iguatemi” – G 151 é o segundo navio da classe e o quarto a ostentar esse nome na Marinha do Brasil, em homenagem ao Rio Iguatemi que banha o estado do Mato Grosso do Sul.

O Navio de Apoio Oceânico (NApOc) “Purus” – G 152 é o terceiro navio da classe e o terceiro a ostentar esse nome na Marinha do Brasil, em homenagem ao Rio Purus que banha os estados do Acre e Amazonas.

A escolha do indicativo visual de costado (G 150, G 151, G 152), é uma homenagem ao sesquicentenário das diversas ações ocorridas na Guerra da Tríplice Aliança (1864-1870).

Observação do autor: Com a entrega destes novos meios, e de acordo com o texto divulgado, a capacidade de guerra de minas ofensiva/defensiva no 5º, 4º e 1º Distritos Navais receberá um significativo reforço, pois passarão a contar com um meio capaz de lançar uma expressiva quantidade de minas de contato e/ou de fundeio.

Imagens: Marinha do Brasil

 © Information & Design Solutions, S.L. Todos los derechos reservados. Este artículo no puede ser fotocopiado ni reproducido por cualquier otro medio sin licencia otorgada por la empresa editora. Queda prohibida la reproducción pública de este artículo, en todo o en parte, por cualquier medio, sin permiso expreso y por escrito de la empresa editora.

SÍGUENOS EN

APPS

ENVÍO DE LA NOTICIA A UN AMIGO
Correo electrónico
Tu nombre
Mensaje