menú responsive
AMÉRICA | Empresas
-/5 | 0 votos

KC390 fica sobre controle brasileiro

Embraer e Boeing aprovam os termos de sua fusão

União Boeing/Embraer acontece logo após a fusão Airbus/Bombardier.

União Boeing/Embraer acontece logo após a fusão Airbus/Bombardier.

18/12/2018 | Belo Horizonte

Roberto Caiafa

A Embraer e a Boeing aprovaram os termos de uma parceria estratégica que posicionaria ambas as empresas para acelerar o crescimento em mercados aeroespaciais globais.

Os termos aprovados definem a joint venture que compreende as operações de aeronaves e serviços comerciais da Embraer, na qual a Boeing deterá uma participação de 80% e a Embraer os 20% restantes.

A transação continua sujeita à aprovação do Governo do Brasil, após o que a Embraer e a Boeing pretendem executar documentos de transações definitivas.

O fechamento da transação estará sujeito a aprovações regulatórias e de acionistas e às condições habituais de fechamento.

Sob os termos da parceria proposta, a Boeing adquirirá uma participação acionária de 80% na joint venture por US $ 4,2 bilhões.

Espera-se que a parceria seja neutra em relação ao lucro por ação da Boeing em 2020 e aumente a partir de então.

Prevê-se que as sinergias anuais de custos antes dos impostos, de aproximadamente US $ 150 milhões, sejam antecipadas até o terceiro ano de operação.

Depois que a transação for fechada, a joint venture de aviação comercial será liderada pela administração do Brasil, incluindo um presidente e diretor executivo.

A Boeing terá o controle operacional e administrativo da nova empresa, que se reportará diretamente a Dennis Muilenburg, presidente e diretor executivo da Boeing.

A Embraer manterá os direitos de consentimento para determinadas decisões estratégicas, como a transferência de operações do Brasil.

"A Boeing e a Embraer se conhecem bem através de mais de duas décadas de colaboração, e o respeito que temos um pelo outro e o valor que vemos nesta parceria só aumentaram desde que anunciamos nossos esforços conjuntos no início deste ano", disse Dennis Muilenburg, presidente e diretor executivo da Boeing.

"Estamos confiantes de que esta parceria vai trazer grande valor para o Brasil e para a indústria aeroespacial brasileira como um todo. Essa aliança fortalecerá as duas empresas no mercado global e está alinhada com nossa estratégia de crescimento sustentável a longo prazo", disse Paulo Cesar de Souza e Silva, presidente e diretor executivo da Embraer.

As empresas também concordaram com os termos de outra joint venture para promover e desenvolver novos mercados para o KC-390 de transporte aéreo de múltiplas missões.

Sob os termos desta proposta de parceria, a Embraer terá 51% de participação na joint venture, com a Boeing detendo os 49% restantes.

A transação está sujeita à aprovação do Governo do Brasil, ratificação pelo Conselho de Administração da Embraer e sua posterior autorização para a execução dos documentos definitivos da transação.

Uma vez que as partes tenham firmado os contratos de transação definitiva, a parceria estratégica estará sujeita a aprovações regulatórias e de acionistas, bem como outras condições habituais de fechamento.

Supondo que as aprovações sejam recebidas em tempo hábil, a transação deve ser concluída até o final de 2019.

Imagens: Embraer / Boeing

 © Information & Design Solutions, S.L. Todos los derechos reservados. Este artículo no puede ser fotocopiado ni reproducido por cualquier otro medio sin licencia otorgada por la empresa editora. Queda prohibida la reproducción pública de este artículo, en todo o en parte, por cualquier medio, sin permiso expreso y por escrito de la empresa editora.

APPS

ENVÍO DE LA NOTICIA A UN AMIGO
Correo electrónico
Tu nombre
Mensaje