menú responsive
MUNDO
-/5 | 0 votos

Primeiro dos seis submarinos nucleares

França inaugura sua Barracuda diante do olhar atento da Austrália e do Brasil

França receberá seis submarinos de ataque Barracuda até 2029 (Victor M. S. Barreira).

França receberá seis submarinos de ataque Barracuda até 2029 (Victor M. S. Barreira).

16/07/2019 | Rio de Janeiro

Victor M.S. Barreira

Ocorreu no dia 12 de Julho, em Cherbourg-en-Cotentin, na França, a cerimônia inaugural do submarino nuclear de ataque Suffren, o primeiro de seis unidades submersíveis do tipo Barracuda que a Naval Group constrói para a Marinha da França.

O acontecimento contou com a presença do Presidente da França, Emmanuel Macron; a Ministra da Defesa da França, Florence Parly; e o Comandante da Marinha da França, Almirante Christophe Prazuck.

A Ministra da Defesa da Austrália, Linda Reynolds e o Comandante da Marinha do Brasil, Almirante de Esquadra Ilques Barbosa Junior foram algumas das entidades estrangeiras convidadas pela Naval Group. A Austrália contratou doze submarinos à Naval Group e decorre no Brasil a construção de quatro submarinos adquiridos à empresa da França.

O Suffren deverá ser recebido em meados de 2020 para operação partir da Base Naval de Toulon pela Força Oceânica Estratégica, a FOST (Force Océanique Stratégique).

O lançamento

 

O submarino comandado desde 11 de Julho pelo Capitão-de-fragata Axel Roche será lançado à água ainda em Julho e iniciará proximamente os testes de cais e receberá o combustível nuclear. Na primeira metade de 2020 serão realizados testes de mar ao largo das cidades de Brest e Toulon. No centro que a DGA Essais de Missiles possui no Mediterrâneo, serão efetuados os lançamentos de mísseis e torpedos.

A construção do Suffren iniciada em 2007 envolve cerca de 800 empresas, incluindo as diversas unidades da Naval Group e os parceiros TechnicAtome, Thales, Safran, MBDA, Jeumont Electric, ECA Group, Guichon Valves, Schneider Electric, MAN Diesel and Turbo e a FAPMO. O CEA (Commissariat à l'Énergie Atomique et aux Énergies Alternatives) contribui para coordenar as atividades relacionadas com a planta nuclear, esta desenvolvida e construída pela TechnicAtome.

O programa de construção dos seis submarinos tem um custo de 9.1 biliões de Euros sem os serviços de manutenção associados, estes que serão contratados separadamente.

O programa Barracuda foi iniciado em 1998 com a elaboração dos conceitos preliminares, estudos de definição, consultas e contratualização. Em Dezembro de 2006, a Direction Générale de l'Armement (DGA) notificou às empresas Naval Group e TechnicAtome um contrato quadro para o desenvolvimento e produção de seis submarinos do tipo Barracuda para permitir a substituição gradual das seis unidades da Classe Rubis. Os contratos firmes para os submarinos Suffren, Duguay-Trouin, Tourville, De Grasse, Rubis e Casabianca foram celebrados entre Dezembro de 2006 e Junho de 2019.

A França prevê receber o último submarino em 2029.

Missões

 

O submarino Barracuda combina capacidades como poder de fogo, autonomia, dissuasão acústica, velocidade tática, interoperabilidade e disponibilidade. Este permitirá a execução de missões de controlo do espaço aéreo e marítimo, escolta de navios aeródromos, recolha de informação, proteção de submarinos lançadores de mísseis com cabeça nuclear, ataque a alvos em terra e projeção de forças de operações especiais.

O submarino da Classe Suffren

 

O Suffren desloca 4700 toneladas à superfície e 5300 toneladas quando submergido, mede 99 metros em cumprimento e 8.8 metros de diâmetro para uma imersão máxima de aproximadamente 300 metros, velocidade máxima de 23 nós, e uma disponibilidade de até 270 dias por ano. A tripulação do submarino é constituída por 65 homens, com capacidade para acolher até 15 militares adicionais.

O Barracuda incorpora quatro tubos de armas; sistemas de comunicação; sistema de enlace de dados Link 11 e Link 16, e futuramente Link 22; sistema de comunicação por satélite SYRACUSE III de Banda X e mais tarde um sistema atuando na Banda Ka; meios de guerra eletrónica; o sistema de gerenciamento de combate SYCOBS (SYstème de COmbat pour Barracuda et SSBN); mastros optrónicos de busca e ataque; radar de vigilância aérea; sistema de sonar constituído por dois sonares de flanco e sonares de casco e rebocado; hélice em X; sistemas de navegação; estação de controlo da propulsão; sistema de operação do navio; e um sistema de propulsão híbrida principalmente constituído por motores elétricos e turbinas, ambos alimentados pela energia produzida pela planta nuclear.

Os tubos de armas permitem o lançamento de misseis táticos de cruzeiro de ataque MBDA MdCN (Missile de Croisière Naval), misseis anti-navio MBDA Exocet SM39 Block 2 Mod 2 e torpedos pesados de 533mm Naval Group F21. O submarino emprega ainda engodos anti-torpedos Naval Group Canto e minas navais.

Projeção de forças especiais

 

Foram adquiridos dois sistemas contentorizados ou DDS (Dry Deck Shelter) para permitir a projeção de elementos de forças de operações especiais através do veículo submarino propulsor PSM3G (Propulseur Sous-Marin de Troisième Génération) desenvolvido pelas empresas Naval Group e ECA Group. Foram recebidos três sistemas PSM3G.

Adestramento

 

A Esquadrilha de Submarinos Nucleares de Ataque, a ESNA (Escadrille des Sous-marins Nucléaires d'Attaque) sediado na Base Naval de Toulon, conta com uma ampla gama de novos sistemas de treinamento, incluindo simuladores para formar as tripulações dos submarinos.

© Information & Design Solutions, S.L. Todos los derechos reservados. Este artículo no puede ser fotocopiado ni reproducido por cualquier otro medio sin licencia otorgada por la empresa editora. Queda prohibida la reproducción pública de este artículo, en todo o en parte, por cualquier medio, sin permiso expreso y por escrito de la empresa editora.

ENVÍO DE LA NOTICIA A UN AMIGO
Correo electrónico
Tu nombre
Mensaje