O Exército Brasileiro colabora na manutenção dos blindados do exército boliviano
EDICIÓN
| INFODRON | INFOESPACIAL | MUNDOMILITAR | TV
Tierra (Portugués) >

O Exército Brasileiro colabora na manutenção dos blindados do exército boliviano

EB EE 9 Cascabel abi
|

(Infodefensa.com) Carlos E. Hernandez, Caracas - O Exército brasileiro vai cooperar com partes e peças sobressalentes para a manutenção dos meios blindados fabricados no Brasil, em serviço com o Exército da Bolívia. O anúncio foi feito pelo comandante do exército boliviano, brigadeiro-general Gustavo Espinoza Sandoval, observando que o acordo foi acertado na reunião conjunta das Forças Armadas, que foi recentemente realizada na cidade de Campo Grande, na região de fronteira entre o Paraguay e o Brasil.

"Os acordos a que chegamos envolvem cooperação em algumas partes e peças de reposição para veículos blindados, sujeito à assinatura de acordos e aplicações. O objetivo é ter as melhores condições de emprego, especialmente para a nossa frota de veículos blindados. Na Bolívia, temos esses carros blindados da indústria brasileira, como o Urutu e Cascabel ", disse o general Sandoval.

O exército boliviano utiliza blindados 6x6 EE-9 Cascavel e 6x6 EE-11 Urutu, ambos fabricados pela empresa brasileira especializada Engenheiros S. A. (Engesa), que pediu concordata em outubro de 1993. Por outro lado, foram fortalecidos os acordos de intercâmbio de formação militar dos cadetes paraguaios.

A este respeito, segundo Sandoval, dois cadetes do exército boliviano farão sua formação como oficiais na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN) no Brasil, enquanto dois cadetes brasileiros farão sua formação na Academia Militar do Exército da Bolívia. Espera-se também a incorporação de instrutores militares brasileiros em institutos do Exército boliviano, como o Colégio Militar do Exército, Escola de Comando da Força e na Faculdade de Tecnologia do Exército Boliviano, entre outros.

Finalmente, ambos os lados concordaram em reforçar a sua cooperação na partilha de informações de inteligência relacionada aos crimes de contrabando, tráfico de drogas e o combate ao crime organizado na fronteira compartilhada pelos dois países.



Recomendamos