Brasil convoca indústria local para cobrir licitações pendentes para fragatas Tamandaré
EDICIÓN
| INFODRON | INFOESPACIAL | MUNDOMILITAR | TV
Armada (Portugués) >

Brasil convoca indústria local para cobrir licitações pendentes para fragatas Tamandaré

Tamandare projetos site
|

O Programa de Fragatas Classe Tamandaré (PFCT), segundo informou em evento a Empresa Gerenciadora de Projetos Navais (Emgepron), ainda apresenta uma série de oportunidades para empresas da base industrial naval e da base industrial de defesa do Brasil.

A sociedade de propósito específico (SPE) Águas Azuis e o estaleiro Brasil Sul (SC), onde as quatro unidades contratadas pela Marinha do Brasil serão construídas, já fechou alguns itens e continua a discutir e a buscar fornecedores de equipamentos e serviços, no Brasil e no exterior, conforme os critérios de competitividade e de conteúdo local especificados pela força naval.

O Consórcio SPE Águas Azuis, escolhido para construir as quatro escoltas classe Tamandaré, detalhou itens de equipamentos e serviços já selecionados e a serem contratados pelo construtor e pelo estaleiro, em diferentes níveis.

Entre itens em aberto, um miríade de ítens para plantas elétricas, tubulações e válvulas diversas.

A expectativa é que o estaleiro inicie as atividades de construção no começo de 2022.

O PFCT prevê 31,75% de conteúdo local mínimo para a primeira fragata, passando para a meta de 40,50% nas demais unidades, considerando materiais, serviços e mão de obra.

A Emgepron e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) firmaram acordo para o acompanhamento e aferição do conteúdo local utilizando a metodologia do banco.

Além do conteúdo local, a Marinha especificou para os quatro navios gestão do conhecimento, transferência de tecnologia e inserção da mentalidade da gestão do ciclo de vida, bem como a retenção de conhecimento local para permitir autonomia quanto à gestão do navio.

A SPE Águas Azuis é formada pela Thyssenkrupp Marine Systems, com 75% de participação na sociedade, e pelo grupo Embraer (25%), dos quais a Embraer Defesa & Segurança tem 12% e a Atech 13%.

A Thyssenkrupp, líder da SPE, tem a maior parcela na parte de projeto, engenharia e conhecimento naval.

Confira abaixo as oportunidades já selecionadas e outras que estão em aberto (sujeitas a modificações e/ou atualizações dos contratantes durante o processo):

Oportunidades fechadas

CMS e IPMS — Atech;

Propulsores principais — MAN do Brasil;

Raytheon do Brasil — Sistema de navegação;

Sistema de extinção de incêndio — Johnson Controls do Brasil;

Sistema de climatização — Heinen & Hopman do Brasil;

Sistema de comunicação interno e externo — Rohde & Schwarz;

Medidas de apoio à guerra eletrônica (MAGE) — Omnisys;

Guindaste de Hangar — Strauhs;

Embarcações miúdas — DGS;

Cilindros (vasos de pressão) — Cigtech;

Proteção catódica — ICM;

Compressores — Sauer;

Bombas — Netzsch e Asvac;

Tintas — Jotun;

Isolamento térmico para tubulações e equipamentos — Acital;

Máquina de suspender, cabrestantes e RAS capstan — Strauhs;

Mesa cirúrgica e foco cirúrgico — AFAC;

Grupo gerador — MTU;

Oportunidades em aberto

Planta elétrica (em discussão) — existe um pré-contrato com um grande fornecedor elétrico, que precisará aliar o conhecimento com demanda e necessidade de conteúdo local (componentes);

Grupo gerador* — MTU (fechado), com previsão de alternador Weg (em análise);

Tubulações e acessórios (flanges e colares);

Proteção balística;

Válvulas diversas;

Escadas em geral e escadas tipo prancha (gangway);

Casulo para balsas salva-vidas, balsa salva-vidas e equipamentos de salvatagem diversos;

Fundição de aço e usinagem (peças pra montagem dos navios em si);

Módulos para sistemas de comunicação;

Escotilhas e porta de visita;

Sinos e gongos;

Âncoras e amarras;

Espaços habitáveis e espaços de cozinha (nível industrial);

Espaços de lavanderia (nível industrial);

Workshop (equipamentos, ferramentas e maquinários diversos);

Sistema de reabastecimento em mar;

Manufatura e instalação de sistemas de exaustão (mão de obra, fabricação, instalação);

Ammunition crane (guindaste para movimentação de munição);

Torpedo Stowage System;

Equipamentos de controle de avarias;

Oportunidades estaleiro (serviços)

Calibração de instrumentos;

Serviços de medição de ruído e vibração;

Ensaios não destrutivos – ultrassom;

Ensaios não destrutivos – gamagrafia;

Ensaios não destrutivos – líquido penetrante;

Ensaios não destrutivos – partículas magnéticas;

Usinagem de corpos de prova para ensaios mecânicos;

Testes de carga (guindastes e pontes);

Serviços de mergulho – inspeção de sistema de propulsão e casco;

Serviços para indústria metal-mecânica (usinagem, estruturas, etc) para navio e estaleiro;

Mão de obra – pintura (tubulação, elétrica, carpintaria);

Ativos (alguns galpões modulares, elementos metálicos, equipamentos etc).

Imagens: Emgepron/Marinha do Brasil



Recomendamos