menú responsive
AMÉRICA | Armada
-/5 | 0 votos

Aumento da operacionalidade

Aviação Naval da Marinha do Brasil recebe o terceiro Helibras H-225M

Caças e helicópteros reforçam operacionalidade da AN-MB.

Caças e helicópteros reforçam operacionalidade da AN-MB.

25/09/2019 | Belo Horizonte

Roberto Caiafa

O Comando do 4º Distrito Naval (Com4ºDN), que opera na região norte do território brasileiro, recebeu, no mês de setembro, a terceira aeronave que vai compor o futuro 1º Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral do Norte (1ºEsqdHU-41), a ser ativado  pela Marinha, em Belém, no Estado do Pará, no dia 25 de outubro de 2019.

O primeiro helicóptero do tipo Helibras H-225M foi recebido no dia 1º de maio deste ano, o segundo, no dia 17 de julho último. A ativação do Núcleo de Implantação do 1º Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral do Norte (NI-EsqdHU-41) aconteceu no dia 28 de junho.

O NI-EsqdHU-41 é o elemento subordinado diretamente ao Comando do 4º Distrito Naval (Com4ºDN), o qual será responsável pela criação e implementação de normas e procedimentos operativos e logísticos necessários à criação do EsqdHU-41.

As aeronaves têm sido empregadas, em tempos de Paz, nas ações de salvamentos, resgates, inspeções navais, em apoio à Capitania dos Portos, etc. Em caso de conflito, operarão apoiando os navios do Comando do Grupamento de Patrulha Naval do Norte e o 2º Batalhão de Operações Ribeirinhas do Corpo de Fuzileiros Navais, infiltração e exfiltração de Forças do Comando de Operações Especiais da Marinha do Brasil, entre outras missões.

Entrega da aeronave A-4 Skyhawk AF-1B N-1013, modernizada pela Embraer

 

Também no mês de setembro, ocorreu a entrega da aeronave modernizada AF-1B de matrícula N-1013 ao Setor Operativo da Aviação Naval, dentro do contrato de modernização dos caças A-4 Skyhawk AF-1B/C realizado pela Embraer Defesa e Segurança.

A aeronave poderá ser empregada em operações de inteligência ao acompanhar alvos de superfície, empregando algumas funcionalidades do radar EL/M 2032 como os modos de operação ar-ar, ar-mar, ar-solo e de navegação.

A principal tarefa deste sistema radar embarcado é realizar a detecção e o rastreamento de alvos aéreos e de superfície, além de fornecer a distância ar-solo/ar-superfície para o subsistema de pontaria de armas.

No modo TWS (Tracking Wire Scan) podem ser localizados e rastreados automaticamente 64 alvos de superfície ou terrestres simultaneamente e no modo SAR (Synthetic Aperture Radar) é possível fazer o mapeamento terrestre/superfície em missões de reconhecimento.

Essas capacidades, usadas em conjunto com o radar 997 Artisan que equipa o Porta-Helicópteros Multipropósito “Atlântico” (quando estes meios operarem integrados), permitem o cumprimento de missões de interceptação e ataque e/ou defesa aérea da Força Naval (a partir de bases em terra), com maior eficiência.

Imagens: Marinha do Brasil

 © Information & Design Solutions, S.L. Todos los derechos reservados. Este artículo no puede ser fotocopiado ni reproducido por cualquier otro medio sin licencia otorgada por la empresa editora. Queda prohibida la reproducción pública de este artículo, en todo o en parte, por cualquier medio, sin permiso expreso y por escrito de la empresa editora.

ENVÍO DE LA NOTICIA A UN AMIGO
Correo electrónico
Tu nombre
Mensaje