menú responsive
AMÉRICA | Defensa
-/5 | 0 votos

O presidente coloca em risco programas estratégicos

Bolsonaro corta o orçamento da Defesa do Brasil em 44%

Bolsonaro corta 44% do orçamento de defesa 2019.

Bolsonaro corta 44% do orçamento de defesa 2019.

14/05/2019 | Belo Horizonte, MG

Roberto Caiafa

O Ministério da Defesa sofrerá uma contingência (corte) de 44% no orçamento de 2019 para a pasta.

Um total de 5,8 bilhões de reais do orçamento da Carteira de Defesa foi bloqueado pela ala econômica do governo.

A decisão foi anunciada na terça-feira ao Alto Comando das Forças Armadas, em reunião com o presidente Jair Bolsonaro.

O governo atribui o corte a um processo de equalização orçamentária divulgado na Esplanada dos Ministérios, de acordo com a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

A medida não agradou a liderança militar.

Os militares observaram que, proporcionalmente, é a maior contingência feita nos últimos anos, e feita em uma gestão integral dos militares e administrada por um presidente de origem militar.

O Palácio do Planalto garante, no entanto, que não serão apenas as Forças Armadas que sofrerão cortes.

O orçamento das Forças Armadas é muito restrito.

Os custos de custeio demandam uma quantidade substancial do que é destinado pelo Tesouro, sobrando pouco para dar continuidade ao progresso tecnológico.

A decisão do tribunal está dentro de um contexto delineado pelo Ministério da Economia, que acredita que a contingência é possível neste momento.

Num futuro próximo, com a aprovação da Nova Previsão e outras ações estruturantes, o governo, em geral, terá que reorganizar o orçamento não apenas no Ministério da Defesa, mas em todas as demais carteiras afetadas pelos cortes.

Programas Estratégicos

 

Um dos maiores cortes é o do programa FX-2, de aquisição de 36 caças de múltiplo emprego, que teve R$ 447 milhões bloqueados de um total de R$ 1,346 bilhão autorizado no Orçamento deste ano.

Outro projeto duramente atingido é o HXBr, que reforça as Forças Armadas com 50 helicópteros e deveria ter sido concluído em 2018.

Sem recursos suficientes, o projeto já foi adiado e mais de uma dezena de equipamentos será entregue somente no fim do governo Jair Bolsonaro.

A francesa Airbus Helicopter, que fornece os helicópteros, já pediu reequilíbrio econômico do contrato por conta do atraso.

Com o decreto de contingenciamento, a União deixará de aportar também R$ 2,5 bilhões na Empresa Gerencial de Projetos Navais (EMGEPRON) neste ano.

A capitalização, prevista na lei orçamentária, serviria como um arranjo contábil para permitir que a estatal comprasse quatro novas corvetas para equipar a Marinha.

Imagens: Roberto Caiafa / MD

 

 © Information & Design Solutions, S.L. Todos los derechos reservados. Este artículo no puede ser fotocopiado ni reproducido por cualquier otro medio sin licencia otorgada por la empresa editora. Queda prohibida la reproducción pública de este artículo, en todo o en parte, por cualquier medio, sin permiso expreso y por escrito de la empresa editora.

ENVÍO DE LA NOTICIA A UN AMIGO
Correo electrónico
Tu nombre
Mensaje