Exército Brasileiro avalia compra de 36 obuseiros autopropulsados de 155 mm
EDICIÓN
| INFODRON | INFOESPACIAL | MUNDOMILITAR | TV
Tierra (Portugués) >

Exército Brasileiro avalia compra de 36 obuseiros autopropulsados de 155 mm

Obuseiros sobre rodas de 155 mm.
|

O Chefe do Estado Maior do Exército Brasileiro (EME) aprovou a Diretriz de Iniciação do Projeto Viatura Blindada de Combate Obuseiro Autopropulsado 155 mm sobre rodas (Pjt VBCOAP 155mm SR).

O objetivo final é a aquisição por licitação internacional de 36 Obuseiros Autopropulsados de 155 mm sobre rodas, quantidade suficiente para reequipar três grupos das Artilharias Divisionárias (AD) ou das Brigadas Mecanizadas atualmente sendo reequipadas pelo PEE Guarani, permitindo o engajamento de alvos de forma rápida, eficaz e sistêmica a distâncias de até 40 (quarenta) quilômetros (km) com emprego de munições convencionais e/ou inteligentes, ambas com a opção de alcance extendido.

Como parte do Programa Estratégico GUARANI, essa iniciativa também conta com o apoio do Subprograma Estratégico Sistema de Artilharia de Campanha (SPrg EE SAC) do Programa Estratégico Obtenção da Capacidade Operacional Plena (OCOP).

Entre os requisitos a serem observados pelo Estudo de Viabilidade (EV), com prazo de 120 dias para sua conclusão, a produção de munição de 155mm no Brasil, com ToT para munições inteligentes guiadas e sistemas relacionados é considerado essencial, assim como a questão da integração da arma com a plataforma sobre rodas, do tipo caminhão militar 6x6 ou 8x8, até um limite máximo de 21 toneladas o conjunto completo.

O EV também deverá contemplar as ações necessárias para viabilizar a formação de pessoal operador e de manutenção, adequação/construção de infra-estrutura para esse tipo de material inédito no Exército, estudo e criação de doutrina, visando o emprego por pelo menos 25 anos, tudo isso dentro de um cenário orçamentário repleto de desafios devido a Pandemia do Covid-19.

Voltando a 2014

Durante a realização da Eurosatory 2014, dois acordos de cooperação entre empresas internacionais e brasileiras para a proposição ao Exército Brasileiro de Obuseiros sobre rodas de 155mm (essa compra vem sendo estudada há pelo menos 10 anos) foram formalmente anunciados, um propondo o VBCOAP 155mm SR CAESAR, da Nexter (montado sobre caminhão 6x6), e outra propondo o VBCOAP 155mm SR ATMOS, da Elbit Lands Systems (montado sobre caminhão 6x6).

Nas propostas, a Nexter elegeu como parceira brasileira a Avibras Aeroespacial e Defesa, enquanto a Elbit Lands Systems escolheu a ARES Aeroespacial e Defesa como empresa parceira.

No caso da Avibras, sua experiência na adaptação dos chassis QT TATRA para o Astros 2020, incluindo todo o projeto veicular, integração de sensores e demais sistemas lhe permite entregar uma versão que utilize tanto o chassis tcheco como qualquer outro modelo de caminhão escolhido.

Quanto a ARES Aeroespacial e Defesa, como subsidiária brasileira da Elbit Systems, a empresa já possui grande experiência na integração de sistemas de armas remotamente operados do tipo REMAX, sendo plenamente capaz de executar trabalhos de integração do obuseiro ATMOS a plataforma veicular escolhida pelo Exército Brasileiro.

Caesar 155 mm

Esse obuseiro de origem francesa vem sendo continuamente aperfeiçoado nas versões de carregamento semi-auto e automatizado.

De concepção modular, pode ser integrado a qualquer caminhão de serviço 6x6 ou 8x8, de acordo com os requerimentos do cliente.

No calibre de 155mm/52, pode disparar até seis munições por minuto. Tempo de entrada em posição e primeiro disparo, menos de dois minutos. Alcance de 40 km com munições base bleed, podendo chegar a 55 km com tiros assistidos por foguetes.

Seu sistema de controle de tiro digitalizado e plataforma de navegação inercial garantem grande precisão mesmo em ambiente de negação do sinal GPS.

Com mais de 300 exemplares em serviço, pode ser conectado a qualquer moderno sistema de Comando e Controle, Comunicações, Computadores e Informações (C4I) existente.

O CAESAR é capaz de entrar em posição, atirar seis vezes e abandonar a posição para evitar os contra-fogos de bateria em menos de quatro minutos, garantindo uma enorme flexibilidade operacional e segurança no seu emprego.

Atmos 155 mm

O desenvolvimento do sistema ATMOS 2000 teve seu início em 1999. Em 2006 foi testado pelo Exército Israelense e aprovado, apesar de ter sua produção voltada para a exportação.

A plataforma pode ser transportada pelo C-390 Millenium e conta com uma guarnição, para operação, de quatro a seis militares, incluindo dois carregadores, tendo um peso de aproximadamente 22 toneladas, com comprimento total (tubo travado para frente) de 9,5 metros, com altura de 3,24 metros e largura de 2,65 metros.

Na versão standard o ATMOS é oferecido montado no chassi do caminhão Tatra T815 VVN com tração 6x6, motor diesel V-12 de 315 HP, transmissão de 10 velocidades com mudança de marchas assistida, velocidade máxima de 80 km/h com autonomia de 1000 km e cabine protegida contra armas de pequeno calibre.

O ATMOS pode ser instalado em vários chassis de veículos de rodas de acordo com os requisitos do país que o adquire, fornecendo uma manobrabilidade estratégica muito maior, diminuindo o preço de aquisição, menor custo de vida e operação e manutenção mais fáceis do que os obuseiros sobre lagartas tradicionais.

A arma de 155 milímetros e 52 calibres utiliza munições compatíveis com o padrão NATO/OTAN, obtendo um alcance máximo de 41 km, possuindo uma cadência de três tiros em 15 segundos, cinco tiros por minuto e oitenta tiros por hora.

Quando em posição, duas grandes pás de estabilização operadas hidraulicamente são abaixadas na parte traseira do veículo. Possui ainda um Advanced Fire and Control System (AFCS) instalado, abrangendo sistemas de navegação, pontaria e computador balístico.

O AFCS exibe a informação do alvo, seleciona a carga e a elevação da arma e aponta na direção do alvo automaticamente. O ATMOS 2000 consegue, através dos 52 calibres que possui, utilizar desde projéteis mais antigos padrão M107 HE até projéteis com desempenhos de alcance operacional de uma munição moderna.

Imagens: Roberto Caiafa



Recomendamos