P. Albuquerque Abimde: "A pandemia acabou por abrir muitas oportunidades para o setor de defesa do Brasil"
EDICIÓN
| INFODRON | INFOESPACIAL | MUNDOMILITAR | TV
Defensa (Portugués) >

P. Albuquerque Abimde: "A pandemia acabou por abrir muitas oportunidades para o setor de defesa do Brasil"

Paulo Albuquerque, diretor de projetos e relações institucionais da ABIMDE
|

A Abimde (Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança) anunciou no início de maio corrente uma parceria com a Fundação Dom Cabral (FDC), uma das nove melhores escolas de negócios do mundo, segundo o ranking do jornal britânico Financial Times (edição de 2020), visando atender as empresas associadas (mais de 200) disponibilizando conhecimento e formação em gestão para potencializar negócios.

O lema "ABIMDE de todos para todos” norteia diversas frentes de trabalho da Associação, dentro e fora do Brasil, seja na difícil questão tributária, no apoio as exportações ou na criação de uma instituição de certificação e homologação de produtos de Defesa, dentre outras ações.

Fundada há 35 anos, a entidade representativa do setor atua como "A voz da Base Industrial de Defesa e Segurança" promovendo e valorizando as empresas da BIDS dentro do território nacional e no exterior por meio de eventos, contatos e relacionamentos com todas as esferas governamentais - federal, estadual e municipal - apresentando os anseios dos empresários e desafios a serem suplantados.

Para falar sobre as atividades recentes da Associação, Infodefensa entrevistou Paulo Albuquerque, diretor de projetos e relações institucionais da Abimde.

Albuquerque é oficial da reserva na Marinha do Brasil, membro permanente da Abeic (Associação Brasileira de Estudos de Inteligência e Contrainteligência) e possui os cursos de Estado-Maior da carreira e o superior de inteligência estratégica da Escola Superior de Guerra (ESG).

A ênfase em exportação é uma marca dessa gestão a frente da entidade? Quais os sucessos alcançados?

A exportação é uma busca constante das empresas brasileiras da Base Industrial de Defesa e Segurança (BIDS). A atual gestão da Abimde está atenta e tem atuado fortemente para criar novas oportunidades de negócios. Nós realizamos diversos eventos, como a série virtual Brazilian Defense Day, que apresentou nossas empresas para os mercados do Egito e dos Emirados Árabes Unidos. E em abril atuamos em um grande evento B2B em parceria com o governo da Turquia. Isso sem falar em outros junto a representantes de Portugal, Itália, Espanha e Índia, para citar alguns países. Além desses eventos, a retomada das feiras internacionais de Defesa abriu diversas janelas para empresas brasileiras em Abu Dhabi e no Catar (Idex e Milipol, respectivamente), num esforço de organização conjunto entre a Abimde e APEX-Brasil, com apoio dos Ministérios da Defesa e de Relações Exteriores.

Como você avalia o estado atual do mercado de defesa e o impacto da pandemia nos resultados da associação?

Uma característica marcante do setor é a inovação e a tecnologia de ponta. E, por isso mesmo, a pandemia acabou por abrir muitas oportunidades para o setor de Defesa. As empresas acabaram criando novas oportunidades, muitas vezes explorando a potencialidade dual de suas tecnologias. Por exemplo, empresas que fabricavam câmeras termais para vigilância nas fronteiras agora têm seus equipamentos utilizados para monitoramento térmico em eventos e espaços públicos, como hospitais, aeroportos e shoppings. Outras empresas passaram a fabricar máscaras e respiradores, além de tantos outros equipamentos. Então, podemos dizer que esse cenário acabou gerando uma expansão para o segmento, garantindo empregos e abertura de novas vagas. Importante ressaltar também a rapidez e precisão com que as empresas de defesa trabalharam para apoiar a sociedade nesse momento crítico, demostrando assim, a dualidade do setor.

Qual é o papel da Abimde diante do desejo crescente de empresas estrangeiras em se associarem a empresas locais?

As parcerias com empresas estrangeiras são relevantes para a BIDS, principalmente se significarem o ingresso das nacionais em cadeias globais de valor. Além disso, pode ser oportuno à prontidão, que certos desenvolvimentos tecnológicos nacionais sejam acelerados por meio de parcerias de co-desenvolvimento. Nós acompanhamos o mercado, atentos a tudo e buscando novas oportunidades favoráveis às indústrias e ao país.

As grandes empresas do setor utilizam suas cadeias produtivas para ampliar os mercados e exportar. O que a Abimde está fazendo para que as PMEs surfem nessa onda?

Abimde de todos para todos é um lema que a atual gestão criou e segue com afinco. Nosso trabalho é fazer com que o crescimento da BIDS contemple pequenas, médias e grandes empresas, criando oportunidades de negócio para todas as associadas. A Abimde possui uma extensa e sólida rede de relacionamentos, que é de vital importância para que as empresas do setor fechem novos negócios e gerem mais emprego e renda. Além disso, num esforço contínuo de melhor apoiar as empresas da BIDS e utilizando o novo ambiente regulatório proporcionado pela Portaria nº189 -EME de 18 de agosto de 2020 (Normas Reguladoras dos Processos de Avaliação de Produtos Controlados pelo Exército), criou uma nova divisão de certificação de produtos controlados.

Quais serão as vantagens disso?

As empresas fabricantes vinham enfrentando um fator muito prejudicial à competitividade com uma fila de espera para homologação de produtos controlados que girava em média de um ano e meio a dois anos. A certificação de produtos que será proporcionada pela ABIMDE, além de reduzir drasticamente o tempo de espera e dar garantia ao mercado da qualidade no atendimento às normas técnicas, gerará mais valor aos produtos que eram antes homologados e recebiam um atestado de cumprimento de normas técnicas e que passarão a receber um certificado de conformidade com selo Inmetro/Abimde, inclusive com reconhecimento internacional de certificação.

A Abimde avançou na formalização funcional de uma política fiscal que desonere o setor?

Não é uma tarefa fácil enfrentar o intrincado sistema tributário brasileiro, mas temos obtido alguns avanços que nos mostram a importância de seguir trabalhando em prol de reduzir as distorções. Um exemplo é a nota técnica que desenvolvemos com sugestões para gerar isonomia tributária entre as empresas que vendem a partir do Brasil com aquelas que vendem a partir do exterior. Essa nota deu origem à PLP 244/20, que foi protocolada no Congresso Nacional pelo deputado federal Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PSL-SP), passou pelo crivo dos líderes partidários e deve ser votada em plenário. Outro exemplo é nossa luta para manter reduzida a base de cálculo do ICMS para alguns produtos e serviços de Defesa. Temos conseguido, ao lado de outras entidades, manter essas reduções por prazos determinados, mas queremos que essas condições sejam prorrogadas por mais tempo. Outra ação importante da Abimde foi pela prorrogação dos regimes de tributação especial, como o Retid e o Retaero. Os incentivos fiscais ao setor são importantes para manter a competitividade de nossas empresas.

O que podemos esperar de novidades ABIMDE na 6ª Mostra BID Brasil?

A 6ª Mostra BID Brasil é um evento único e extremamente importante para a consolidação do setor nos dias atuais, servindo de vitrine para as empresas da BIDS e fomentando a recuperação econômica do país. Teremos mais de 50 expositores e mais de 30 apoiadores, que irão mostrar suas inovações tecnológicas aos principais players nacionais e internacionais, reforçando inclusive a dualidade de seus produtos e serviços. Não temos dúvidas de que a Mostra BID Brasil é um marco no segmento e a cada edição busca inovar e trazer novidades para que as empresas possam aproveitar ao máximo sua participação. É um evento onde reunimos embaixadas, adidos militares, Forças Armadas, Policias Civil, Militar e Federal, além de entidades representativas. Estamos confiantes que o evento reforce e potencialize a BIDS. Sabemos dos desafios para este cenário de pandemia, mas estamos adotando todas as medidas sanitárias necessárias para segurança dos participantes. Acredito que a Mostra será um vetor de retomada para nossa indústria e Incentivo a ampla participação do segmento.



Recomendamos

Lo más visto