menú responsive
AMÉRICA | Defensa
-/5 | 0 votos

Balanço 2020

Brasil: Prosub, Gripen e Guaraní, um ano de desenvolvimentos apesar da Covid

capa defesa 2020 caiafa

30/12/2020 | Belo Horizonte

Roberto Valadares Caiafa

A Pandemia de Covid-19 tornou-se um evento em escala mundial ao longo de 2020, e no Brasil, o Ministério da Defesa e as Forças Armadas, integrando uma rede de agências governamentais, apoiaram de forma decisiva a logística e operações de enfrentamento ao vírus em todo o território nacional por terra, mar e ar.

Ao mesmo tempo, operações militares de grande porte aconteceram em pontos chave do território nacional, especialmente na Amazônia brasileira e fronteiras terrestres, enquanto a indústria de Defesa cumpriu importantes entregas contratadas após 2008 com a implementação da Estratégia Nacional de Defesa ou END, revisada pela 3ª vez em 2020.

Os rígidos protocolos sanitários adotados durante a Pandemia permitiram as Forças Armadas brasileiras manterem-se em atividade, o mesmo acontecendo com a Base Industrial de Defesa brasileira, em que pese a ocorrências de atrasos em alguns programas e contratos.

Já o setor de eventos voltados para a indústria bélica foi fortemente atingido pelo COVID-19.

O cancelamento de eventos continentais como a Latin America Aerospace and Defence ou LAAD, que reunia bienalmente empresas brasileiras e internacionais especializadas no fornecimento de equipamentos e serviços para as três Forças Armadas, forças especiais, serviços de segurança, consultores e agências governamentais deram um tom sombrio para 2020 e também 2021, já que a onda de cancelamentos continua.

Os Programas Estratégicos da Marinha, do Exército e da Força Aérea registraram entregas importantíssimas em 2020, com efetiva participação da Base Industrial de Defesa brasileira, de fornecedores internacionais e instituições de pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias, tanto brasileiras quanto estrangeiras.

O submarino brasileiro

 

A Marinha do Brasil conquistou grande visibilidade com o PROSUB encerrando o ano com o 1º submarino prestes a entrar em serviço (Riachuelo), lançando ao mar o 2º submarino (Humaitá) e realizando a união de seções de casco do 3º (Tonelero) ao mesmo tempo que empreende amplo debate com a indústria naval brasileira e internacional para garantir a continuidade dos trabalhos de produção de meios navais militares em Itaguaí (previsão para um navio de apoio logístico, navios patrulha oceânicos e dois navios hidro-oceanográficos). O programa do submarino de propulsão nuclear iniciou a montagem do LABGENE, reator nuclear baseado em terra análogo ao que será construído para impulsionar o SN-BR Álvaro Alberto.

Com relação as novas escoltas Classe Tamandaré, que começou corveta e tornou-se uma fragata, esse programa apresentou pouquíssimos avanços em 2020, o maior deles, a instalação do escritório da EMGEPRON em Itajaí, junto ao Estaleiro Oceana (Consórcio Águas Azuis).

Na Aviação Naval, prosseguem as entregas dos helicópteros AH-11B Wild Lynx modernizados no 1º Esquadrão de Helicópteros de Esclarecimento e Ataque (HA-1) e Helibras UH-17 novos no 1º Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral (EsqdHU-1), esses destinados as tarefas de treinamento e operações antárticas, dentre outras.

O Gripen

 

A Força Aérea Brasileira confirmou em 2020 o protagonismo dos programas envolvendo o Saab F.39 Gripen e Embraer KC390 com a chegada do primeiro caça de 36 encomendados e a continuidade das entregas do avião de transporte, o quarto aparelho devendo ser recebido ainda em dezembro corrente.

Em paralelo, a FAB também está modernizando sua frota de aeronaves AWACS Embraer E-99 Guardião (uma entregue) e implementando o sistema de comunicações seguras por Data-Link BR2, ampliando assim o alcance da sua defesa aérea e adequando-a para o emprego de mísseis além do alcance visual MBDA Meteor com total segurança.

Novos radares, fabricados no Brasil e instalados nas fronteiras do centro-oeste brasileiro também estão preparados para atuar na defesa aérea e controle de tráfego aéreo daquela crítica região.

A frota de treinadores T-27 Tucano da Academia da Força Aérea está sendo elevada ao padrão M (um protótipo em testes de voo) e o programa deverá ser efetuado por inteiro nas instalações do PAMA-LS empregando mão de obra técnica da própria força.

Com a assinatura do contrato para desenvolvimento do MICLA-BR, míssil de cruzeiro lançado do ar, a Avibras Aeroespacial tornou-se uma das maiores desenvolvedoras de tecnologia míssil no hemisfério sul, ao mesmo tempo que a Força Aérea Brasileira adiciona mais uma arma de alta tecnologia ao arsenal do F.39 Gripen, garantindo assim a hegemonia nos céus latino-americanos nos próximos anos.

Com o anúncio do STOUT, aeronave de propulsão híbrida destinada a substituir os Bandeirante e Brasília, a Força Aérea Brasileira confirma a tendência de substituir modelos Embraer por outros, tecnologicamente inovadores, também projetados e fabricados pela empresa brasileira, ajudando assim na sua recuperação após a malograda fusão com The Boeing Company.

Esse negócio, antes visto como promissor, está agora em disputa nos tribunais norte-americanos, já que a Embraer afirma que foi prejudicada pela desistência da parte americana em meio a uma crise da indústria aeroespacial mundial agravada pelo advento da pandemia do COVID-19, e agora exige nos tribunais compensações financeiras.

Artilharia e veículo blindado

 

Quanto ao Exército Brasileiro, entregas importantes ajudaram a revitalizar sua Arma de Artilharia, especialmente o Programa Astros 2020 e obuseiros auto-propulsados M-109A5 BR.

Do primeiro, falta agora a homologação e entrada em serviço efetivo dos mísseis de cruzeiro AV-MTC, após uma complexa campanha de disparos reais que deverá acontecer empregando o sistema STREVI, adquirido, modernizado e entregue em 2020. Do segundo, ainda falta adquirir munições inteligentes guiadas e colocar em serviço os simuladores para treinamento virtual de equipagens.

Na área de blindados, a continuidade das entregas de VBTP-MSR 6x6 Guarani em ritmo lento deram o tom em 2020, já que a modernização dos carros de combate Leopard 1A5 BR não vingou, ao contrário dos EE-9 Cascavel, que terão parte da frota sobrevivente atualizada com sensores e sistema de comunicações mais modernos que os atualmente em uso, totalmente obsoletos.

Junto com os Guarani estão sendo entregues estações remotas de armas REMAX, produzidas no Brasil, e o veículo fabricado pela IVECO anotou exportações para as Filipinas e forte interesse argentino na sua compra, casada com aquisição de caminhões militarizados (motivo de visita do ministro da Defesa argentino a fábrica da IVECO em Sete Lagoas).

Na tentativa de retornar sua aviação de asas fixas, o Exército se viu frente a frente com um tremendo imbróglio devido a firme recusa da Força Aérea Brasileira em aceitar essa situação, em detrimento da sua aviação de transporte. Assim, a aquisição dos aviões SHORTS C.23B Sherpa entrou em um singular processo de esquecimento, o assunto praticamente desparecendo do noticiário especializado por falta de atualizações.

Imagens: Short Brothers/Avibras Aeroespacial/Roberto Caiafa/Força Aérea Brasileira

 © Information & Design Solutions, S.L. Todos los derechos reservados. Este artículo no puede ser fotocopiado ni reproducido por cualquier otro medio sin licencia otorgada por la empresa editora. Queda prohibida la reproducción pública de este artículo, en todo o en parte, por cualquier medio, sin permiso expreso y por escrito de la empresa editora.

ENVÍO DE LA NOTICIA A UN AMIGO
Correo electrónico
Tu nombre
Mensaje